Você não é uma feminazi, é?

Almocei com outra amiga queridíssima. Entre assuntos diversos, ela me contou um pouco sobre as desventuras de ter que conhecer gente por aplicativo. Ela escreve muito bem, espero que logo faça um blog, mas por enquanto compartilho aqui alguns dos diálogos

“Eu sou de direita. E você?”

“Bom… eu sou de esquerda”

“Então desaparece, sua vaca, vai procurar um maconheiro”

— outro início de diálogo. O cara insistindo pra ter logo um encontro, e ela “então, vamos conversar um pouco mais, pra ver se a gente tem a ver”. Resposta: “qual o problema? Você é frígida?”

— e encontrar com um outro cara, e uma das primeiras frases é “Você não é feminazi, é?”

Minha amiga ainda respondeu com gentileza “Eu sou feminista. E não tenho nenhuma relação com o nazismo, a ideia de exterminar pessoas, então não entendo essa ideia de feminazi” (desculpe por não citar certinho a resposta. Sei que falhei no verbatim).

——– x —— x

E eu sou feminazi? Muitos anos atrás meu guruzinho falou que eu era nazista porque eliminava da minha vida as pessoas que não me interessavam (misantropa bem sucedida, e a gente ainda nem conhecia a palavra).

A família do Cris é judia, então talvez eu não devesse achatar e brincar com palavras como nazismo.

Umas semanas atrás li o texto sobre femininja. Entendo, mas não gosto tanto da palavra.

Queria uma palavra que desse essa ideia de atuar pelo feminismo e de me afastar dos machistas. Já me relaciono com pouca gente. Entre esses poucos, com certeza não quero passar meu tempo com gente que não enxerga as injustiças históricas, gratuitas e cotidianas contra as mulheres.

Se fosse comigo. Conhecer um cara que me pergunta se sou feminazi? Nos meus devaneios eu responderia “sou, e essa sua pergunta fala muito de você”, daria um tiro imaginário, o gesto do indicador esticado como um cano de arma, os outros três dedos contraídos, o polegar como se fosse a ação do gatilho. E iria embora.

Femiwatcher, talvez. Não como observadora, mas como guardiã, vigilante, que é o que eu esperaria dos birdwatchers.

Vigilante como o Batman 🙂 Não consigo todas as vezes, mas tenho me mantido atenta e me esforço pra falar por que algo é machista, ou pra apoiar as atitudes feministas.