Tem gente realmente feliz hoje?

Eu sei. Panfletei, sou a favor do impeachment, argumentei com um punhado de gente. Acredito que era o caminho certo, tanto porque Dilma não governava mais e assim não tinha condições de tentar tirar o país do buraco, como pelo fato de aceitar Lula como presidente de fato seria uma derrocada moral grande demais.

Sim, concordo que as pedaladas são motivo leve. Concordo que se a economia estivesse indo bem, ninguém se importaria. Concordo que houve toda uma manipulação pra chegarmos onde chegamos.

Mas não concordo em dizer que ela é totalmente inocente e injustiçada, uma vítima. Isso não.

Olha a situação que está o país.

Olha as denúncias da Lava Jato.

Ela pode não ser corrupta, mas ela é a presidente do país. Ela não tem nada a ver com isso? Não sabia de nada? Estava de costas o tempo todo?

Foi como a declaração de que não existe corrupção no governo dela. Ou é uma mentirosa cara-de-pau ou uma total ingênua. Nenhuma das opções prestava.

Dilma perdeu toda a base. O PT vai perdendo todos os aliados. País em recessão e com desemprego nas alturas. Temer não é a solução, era só a única alternativa.

Quem acompanhou os posts sobre política viu que não é uma questão partidária, e que evito demonizar o PT. E eu sei como há sujeira em todos os partidos, principalmente o PMDB. Mas tenho prestado atenção nos argumentos petistas e é lamentável. Quando o PMDB começar a falar provavelmente também será lamentável, mas por enquanto o destaque ainda está no PT, e me impressiona esse discurso que apela pra um sentimentalismo quase materno, e pra um fantasma de ditadura e repressão que ainda não conseguiram me explicar como vai acontecer. Pelo contrário: até agora, as atitudes mais milícia, de tacar fogo em pneu, interditar estradas, dizer que vão parar o país vem do PT.

 

Ouvi uma amiga defender Dilma, como se fosse uma pessoa física, quase uma amiga. “Coitada. Ela não fez nada. Nunca roubou, não enriqueceu. E agora está tendo que enfrentar isso. E a traição do Temer. Pensar que ele fez um juramento de lealdade, e depois…”

Era uma situação especial em que eu não estava lá pra discutir, então só ouvi e balancei a cabeça pra tudo.

Mas aqui eu posso dizer. Queridos, se liguem: Dilma não é pessoa física. A família dela pode falar coisas desse tipo, você não. Dilma é presidente do país. Quando você assume um cargo tão grande você perde o direito a um monte de coisas, inclusive o de ser pessoa física, um coitado. Você se torna uma figura pública, com obrigações do tamanho do mundo.

Caramba, que vergonha ler a declaração dela de que sofreu sexismo. Que desserviço pra causa feminista. Vergonha, vergonha… A derrocada dela não tem nada a ver com ser mulher, e sim com o fracasso do país somado às avalanches de denúncias de corrupção.

Tenho evitado ler qualquer discussão, e hoje nem abri o Facebook, então só o que eu tenho são os comentários da minha amiga, mas que imagino serem representativos entre várias pessoas contra o impeachment.

O fantasma da ditadura. Dilma faz questão de enfatizar que é golpe, de relacionar o impeachment com tortura, de insinuar que Temer provavelmente fará represálias contra os opositores. Minha amiga me citou uns dois ou três exemplos de reações intolerantes numa discussão política, e a pior situação era de uma mulher que saiu de um grupo de estudos. E me falou “se as pessoas estão fazendo isso, talvez a polícia e o exército terão que intervir, e daí não sei onde a gente vai parar”. Caramba. Gosto tanto dela, mas como foi duro ouvir essas coisas. Ainda mais emendadas com o que eu tinha acabado de contar sobre a Romênia comunista, que o pai do meu sogro foi assassinado pelos nazistas porque um vizinho alertou a fuga deles pra Gestapo “olha os judeus alí!”, ele e o tio foram presos, e no dia seguinte encontrados mortos num frigorífico, pendurados pelo pescoço.

Contei essa história e ela começou a me falar das discussões entre PTs x anti-PT.

Putaqueopariu.

As pessoas realmente acham que tem semelhança? Que a gente está mesmo perto de se tornar uma ditadura? Uma ditadura exige controle total sobre os meios de comunicação. Pra silenciar, ameaçar, prender, torturar, matar quem fala mal do governo. China, Coréia do Norte, Arábia Saudita, Iran, Burma. Lugares em que e-mails e sites são monitorados e bloqueados, conteúdos inconvenientes apagados, em que os blogueiros têm que se cadastrar, e quando saem da linha recebem multas ou podem ser presos. Como isso vai acontecer no Brasil? Porque as pessoas estão batendo boca ou até se esmurrando eventualmente significa que o exército vai querer tomar o poder e tratar a população inteira na base do cassetete? As pessoas realmente fantasiam isso? Que grupo vai se arriscar a ser apedrejado pela opinião pública? A polícia andou batendo em manifestantes, foi execrada, e depois não começou a aparecer posando sorridentes, o pessoal tirando selfies com os policiais?

Graças à internet e às redes sociais hoje a opinião pública é um monstro. Pra combater esse monstro você tem que estar disposto a tomar medidas duras, terríveis e generalizados pro país todo, como os países que eu citei adotam.

Como é que o PT ou o PMDB ou qualquer grupo vai fazer isso?

Não consigo imaginar como eles fariam isso de uma vez. E pra fazer aos poucos (1) não tem efetividade, (2) é abrir telhado de vidro pra ser duramente condenado pelo mundo inteiro.

Hoje não é um dia feliz. Quem me dera que os ETs tivessem descido da nave mãe trazendo os novos políticos limpinhos e competentes. Não apareceram. A gente continua com o mesmo sistema de merda de sempre, mas agora com uma chance um pouco maior de sair do buraco. Só um pouco, porque a situação é terrível e os políticos do PT, vários já falaram que vão lutar contra o tempo todo, mesmo que seja uma proposta igual a o que o PT faria, se veio do Temer eles vão votar contra e boicotar. Bonito, não? Bem bonito. E também vemos Lula se articulando pra disputar e talvez ganhar a presidência em 2018.

É o meu país.

Mas ainda não consegui me livrar dos pensamentos de que a saída é Cumbica.