Sempre componha uma auto-imagem

[entrou a tag Magia porque em fev/2016 topei com um blog de um bruxo que me confirmou essa ideia de que seu olhar sobre você muda seu rosto]

Milorad Pavitch, de O Dicionário Kazar, me rendeu várias imagens e ideias. Uma que sempre guardo são as discussões sobre a beleza da princesa Ateh. Que alguns diziam ser belíssima, outros diziam que ela não tinha nada de especial, mas compunha seu rosto todas as manhãs.

Adotei a ideia. Não de se compor no sentido de penteado, maquiagem, acessórios, isso também altera muito a aparência de alguém, mas o que mais me interessou foi a ideia de que nosso olhar sobre nosso próprio rosto altera nossa aparência.

Guardei também um trecho da Anne Rice… acho que da Entrevista, sobre uma prostituta que o Lestat mata. O livro diz que ela era daquelas belezas que reside principalmente na personalidade, e que uma vez morta, a beleza desvanecia.

Sou daquelas que não tem nada de especial, e que tem vários pontos negativos pra pesar contra. Mas uso esses dois trechos de literatura, e sei que meu olhar sobre mim e meu estado de espírito alteram muito minha aparência e a percepção que as pessoas têm de mim. Eu sei que não é só loucura minha: o Cris já me confirmou (e jurou que não é mero papinho pra tentar e salvar) que eu fico feia quando estou brava.

Gostar de si é essencial. Se você não gosta do que vê no espelho, mude isso. Mude sua aparência. Vá atrás de tratamento pra pele, mude o cabelo, se produza. Mas nunca deixe de se olhar no espelho (principalmente se for dar uma entrevista que vai pro youtube, não faça o que eu fiz).

Nesta semana fiz algumas mudanças necessárias. Pintei e cortei o cabelo, e teve dia de sair com saia-shorts curta, bota estilosa, pulseira chamativa. Sou casada, misantropa, aposentada, ermitão. Mas não é motivo pra de vez em quando não dar um up no visual.

Estava assim (eu e o Cris em Ilhabela na semana passada):

IMG_0007

No dia que o maravilhoso Charles Motta, da Retrozaria, cortou meu cabelo fiz um monte de selfies, até encontrar minha cara. Fora que era fim de tarde e, como todos sabem, fotografia é luz. Nada como fazer fotos com luz natural. Precisa de imagens de si? Nada de flash, nada de ambientes só com luz artificial. Pegue a luz da manhã ou do fim de tarde e você vai ver a diferença.

Além do seu olhar e, obviamente, vários cuidados básicos com a aparência (tenho escrito sobre isso, vou postar mais pra frente), outra coisa que faz muita diferença na percepção dos outros sobre você é sua aura. Aura é jeito de falar, inclui linguagem corporal, roupas, mas nunca deixo de levar em conta o que você está vibrando, o que você quer. Na minha fase de gandaia de jovem adulta solteira, peguei quem eu quis, e aconteciam até coisas com desconhecidos em ônibus, em cinema. Depois que me tornei uma mulher comprometida, zero. É claro que também cuido pra usar roupas adequadas, ter a linguagem corporal certa, nunca entrar em assuntos perigosos, mas o fato é que já fiz várias viagens com homens, sem o Cris, às vezes só eu e um homem, de passar dias juntos, de ter que dividir o mesmo quarto, e nunca rolou nada, nem mesmo um clima. Acho que mesmo que não estivesse usando essas roupas de gringo velho (calça de trilha, camisa de manga longa, cores bocós), não faria diferença. Seriedade e intenções transparecem. Eu sei que é uma grande mostra de confiança o Cris deixar eu fazer o que eu quiser, viajar pra qualquer lugar, com qualquer um. Só se eu fosse idiota pra estragar a confiança de uma pessoa que amo tanto.

Olhe sempre pra você. Componha uma imagem, um visual favorito, se produza, se sinta bonita. Invista em cuidar de si, em pele, cabelo, saúde-exercícios-físicos, mais até do que roupas, calçados, acessórios. Aumente suas oportunidades pra ser feliz.