Relacionamentos precisam ser cultivados?

Não lembro qual era o filme, mas um cara com problemas de relacionamento está fazendo algum tipo de terapia por obrigação, e uma das etapas é ser capaz de cuidar de dois vasinhos de planta. E se as plantas não morressem em x tempo, ele poderia ter um cachorro. E se conseguisse cuidar do cachorro, poderia pensar em ter um relacionamento com outra pessoa.

Faz sentido, não? Relacionamentos exigem compromisso e obrigações.

Eu tinha duas plantas da família das suculentas. Eram vasos bonitos no quintal do meu pai, trouxe pra São Paulo. Elas morreram.

Comprei três minicactos.  Um deles morreu. O outro talvez seja artificial. O outro eu sou capaz de provar que é de verdade, ele cresceu, está vivo. Mas não por minha causa, só porque não preciso fazer nada por eles.

Não tenho gato, cachorro, aquário. Meu enteado não mora com a gente, ele vem aqui toda semana, e está acostumado a algumas precariedades nas refeições, que a mãe dele não me leia.

E xingo as pessoas que me falam oi pelo networking.

— x —- x

Como é que o Cris não morreu, quer dizer, como o meu relacionamento com o Cris sobreviveu?

Acho que por três fatores principais:

1 – Vivemos unidos pela paixão por passeios e fotografia de natureza.

2 – Já tínhamos algumas semelhanças nos valores, mas a paixão pela fotografia de natureza moldou nosso estilo de vida, nos ajudou a ter certeza de que nosso barato não era apartamento bem decorado, carro novo e limpo, roupas estilosas, restaurantes, compras. Nosso barato é pegar o carro ou um voo e passear, fotografar. E fazemos com frequência. Seria mais complicado se ele gostasse do mato, e eu de shopping.

3 – A gente sempre tira tudo a limpo, vivemos sem rusgas. E quando falo de rusgas, é algo no nível de tom de voz, uma palavra estranha, uma frase ríspida. Eu sou uma flor de frescura, percebo tudo. Nos primeiros anos a gente brigava muito, depois eu cansei de brigar, mas fecho a cara, meu olhar muda, e a gente está num estágio que o Cris às vezes consegue pedir desculpas na hora, e se não consegue na hora, no dia seguinte vem a conversa apaziguadora de verdade.

O Cris não é um vasinho que eu preciso regar, um cachorro que eu preciso dar comida, um homem mimado pela mãe que casa e acha que tem que chegar em casa e o jantar está pronto. Não cultivo o Cris. Ele é a pessoa com quem eu mais gosto de ficar, que não imagino minha vida sem, compartilhamos tantos interesses, valores e opiniões. As poucas coisas que faço por obrigação são uns compromissos com a família dele, mas com ele, nunca me senti cumprindo uma rotina de obrigações.

Tenho dois amigos queridíssimos com quem troco emails quilométricos. Nunca escrevi pra eles por obrigação, pra cultivar o relacionamento, e acho que eles também não, aliás desde o começo está combinado que se você não está a fim de escrever, não escreve, podem passar semanas ou até meses sem a gente se falar,  mas ninguém acha que a amizade mudou por causa disso.

Outros amigos bem queridos de São Paulo eu encontro quando nossas agendas batem, mas a gente não precisa ficar papeando. Podemos nos falar pra conversar sobre algo importante, pra xingar, desabafar, mas não preciso cultivar um oi. E quando nos encontramos é sempre excelente.

Tem a minha ex-amiga de quem reclamo de vez em quando. A que agora me trata como networking. O problema não é ficar tempo sem se ver, o problema foram as várias vezes em que a gente se encontrou e ela não estava lá. Cabeça em outro lugar, olhando celular, minha vontade de mandar pra putaqueopariu. Não ser mais capaz de conversar sobre coisas importantes. Isso não é mais amizade.

Criei alguns grupos no Facebook. Um deles é bem importante, o Quero Passarinhar, mas não graças a mim. Eu sabia que não ia conseguir alimentar e cuidar de um grupo, então só tive a ideia e procurei alguém que eu sabia que conseguiria, a Sílvia. O (Não) É Proibido Fotografar também fica às traças no que depende de mim, o Fernando que cuida dele. Então de repente acontece algum perrengue ou problema de gente proibida de fotografar, e eu apareço. O Fotografia de Natureza com Amor me ajudou a mudar minha visão sobre a fotografia, a levar minhas fotos mais a sério, me fez taguear minhas fotos. Faz tempo que não posto nada por lá, mas mesmo que acabasse agora, já me ajudou bastante.

Ou seja, eu nunca cultivo nada.

— x — x

Relacionamentos precisam ser cultivados?

Acho que relacionamentos deveriam ser cultivados se você quer ter uma vida social mais rica.

Mas, vocês sabem. Eu sou uma misantropa filhadaputa (redundância em termos), não me importo com a vida social rica, só quero saber do que é autêntico, intenso, verdadeiro, importante. Então não cultivo nada. Que sobrevivam os fortes.