Reflexões sobre controle e poder – o Inaturalist x Wikiaves

Désolé, mas pelo visto vou ficar falando do Inaturalist por um bom tempo. Nestes dias andei conversando com um entomologista alemão, um botânico mexicano, um biólogo americano, um biólogo africano. É o sabor do início do Wikiaves, quando eu podia ficar papeando com as pessoas sobre as aves e lugares, mas amplificado pelo alcance internacional e por não ser só aves, ser toda a natureza.

Vou dormir tarde e acordo cedo porque quero ficar mexendo nas minhas fotos, pesquisando mapas para poder postar com localizações mais precisas, checando identificações e lendo sobre as espécies, agradecendo as ajudas, tentando descobrir alguma dica sobre que bicho ou planta é aquele, pra pode colocar pelo menos família ou gênero.

O Wikiaves… como eu gostava do Wikiaves na época em que havia esse clima de fraternidade desinteressada.

Eu não posso dizer o que o Wikiaves é, porque não acompanho mais. Mas posso falar dos motivos que me afastaram, e comparar algo da estrutura e escolhas dos dois sites.

Quando o Wikiaves começou a crescer, de repente começaram a pipocar dezenas de elogios nas minhas fotos. Muitos. Eu estava acostumada a papear com as pessoas, e parecia indelicado não falar nada, não agradecer, não ir lá ver e comentar as fotos delas também. Mas era numa frequência e quantidade absurdas que eu simplesmente não dava conta, e comecei a me sentir mal por ter que ignorar aqueles elogios. Mas dar atenção pra elas exigia um tempo que eu não tinha. Então parei de responder qualquer comentário que não fosse uma pergunta específica, e parei de papear com as pessoas.

O que estava acontecendo? A área principal da homepage do Wikiaves tem um ranking de fotos mais votadas. Um colega, que tem fotos bonitas e que costumam receber muitos pontos, me falou “é preciso ir lá comentar e votar as fotos dos outros, para que eles também venham votar nas minhas”.

As fotos mais votadas são bonitas. Mas, olha só que coincidência: elas também são das pessoas que fazem bastante social no site. E há várias pessoas que também têm fotos bonitas, mas que não recebem votos. Porque não fazem social.

Eu estava indignada com essa sensação de corrupção na minha atividade favorita. Perguntei pro dono do site “por que precisa existir esses votos?”, “pra poder escolher a foto da página da espécie, e pra que as melhores fotos apareçam primeiro quando você faz uma pesquisa”.

Vocês têm ideia do que essa história de votação causa nas pessoas? Você tem. Você sabe as pessoas fazem nas redes sociais para conseguirem likes.

A foto da página da espécie deveria ser a foto que melhor mostra as características da ave no quesito identificação. Mas nem sempre é assim, às vezes a foto que está lá é só uma foto bonita, com um autor que faz bastante social, e que ganhou muitos pontos. Mas pra identificação da espécie é comum ver fotos melhores. E você também sabe que não existe uma única foto boa pra tão desejada foto da página da espécie, que há dezenas de fotos que poderiam estar lá.

O Inat também deve ter seus problemas de gestão. Mas sei que não há sanha pra ser a foto da página da espécie. Sabem por que? Porque qualquer um pode mudar. Você vai lá na página da espécie, ele te mostra fotos do Inat e as do Flickr em que a pessoa autorizou o uso não-comercial das imagens, clica numa foto, e plin, essa é a nova foto da página da espécie.

Confiança total e plena de que os usuários do site são pessoas adultas e responsáveis, movidas pelo bem comum e não por vaidades.

O Wikiaves tem moderadores. Voluntários que validam fotos, discutem questões de gestão do site. É comum esses moderadores serem objeto de ódio porque corrigem identificações erradas dos usuários, e assim fazem com que a tal Life List da pessoa diminua.

No Inaturalist todos os usuários são moderadores e moderados. Quando você posta uma foto, se ela tiver data e local, ela ganha o status de “Need ID”, e uma outra pessoa vai lá olhar sua foto pra concordar com sua identificação, ou corrigi-la, ou denunciar caso pareça potoca (se você associar uma espécie com um local improvável, por exemplo). Se você diz que é uma coisa, e outras duas pessoas dizem que é outra, passa a ser aquela outra. A não ser que você tenha mudado a configuração para não aceitar a opinião da comunidade, e assim ninguém pode alterar suas identificações. Mas neste caso, sua foto não passa pro estágio seguinte, que é “Research Grade”. Se sua foto é aprovada pela comunidade, ela passa a fazer parte da base de dados pros pesquisadores que usam o Inat, e também pra alimentar os dados do GBIF – um banco de dados mundial sobre biodiversidade.

O Wikiaves tem na homepage ranking pra mostrar as fotos mais votadas, as mais raras, as mais contestadas. Também tem ranking das pessoas com mais espécies, e cidades com mais espécies.

Os rankings do Inat não ficam na home, ficam numa página quase escondida, e são das pessoas que mais fizeram identificações num período, ou seja, quem mais está ajudando o site, e também dos que mais subiram arquivos no mês – arquivos com datas atuais, feitas naquele mês. Pra incentivar as pessoas a saírem e postarem sempre. Mas isso não é a home. A home são as suas postagens, um painel que mostra quem acrescentou identificações ou comentários nas suas fotos.

Você tem a opção de seguir ou criar um projeto, de seguir as postagens de um táxon. Qualquer um pode ser um curador. Há grupos como “Aves do Mundo”, “Pica-paus do Mundo”, “Fauna e flora do parque tal”, e volta e meia suas fotos são escolhidas pra fazer parte desses painéis, porque os curadores estão sempre olhando novas postagens relacionadas com os temas de interesse e selecionam suas fotos. Eles também têm “Foto do dia”, que é compartilhada no Facebook, no Twitter, e tem a “Foto da semana”, que além de ser uma foto legal também é uma minirreportagem sobre o autor daquela foto, em geral alguém com uma história bem interessante de relação com a natureza.

No outro post comentei sobre o tamanho das fotos, que no Wikiaves aparecem grandes, e no Inat são pequenas, feitas para serem vistas em celular, ou se for no computador, no máximo em 500 pixels. Isso contribui pra que não haja uma louvação pra questões técnicas da foto, do equipamento, da definição, e sim a espécie, o que foi registrado.

Sem luta por holofotes. Sem competição. Sem tráfico de elogios, sem spam de elogios. Sem polêmicas de ódio a moderadores. Só espaço para conversar sobre características de identificação das espécies, agradecimentos pela ajuda, eventualmente algum elogio pra uma foto.

Não vou dizer o que o Wikiaves podia ou não podia aproveitar, porque não acho que ele deva mudar. Sei que há dezenas de milhares de pessoas que adoram o Wikiaves do jeito que ele é, a ponto de ser um dos sites sobre birdwatching mais visitados do mundo, altamente viciante. O Wikiaves não está errado em estimular a competitividade, eu é que desenquadrei e fui procurar minha praia. Parece que achei.