Reeducação alimentar – pra emagrecer de verdade e viver mais – parte 1/3

“80, 90% do resultado é o que você come, não a quantidade de exercícios que você faz”.

Declaração de um dono de academia de NY.

Não vale dizer que você não tem tempo pra fazer exercícios, não é isso que conta. Os exercícios ajudam muito a ter mais disposição, são essenciais pra saúde e qualidade de vida e, é claro, também ajudam a queimar gordura e delinear o corpo.

Mas fora alguns casos mais complicados, no geral ser gordo ou magro depende só de você: das suas escolhas todos os dias.

Já escrevi sobre isso neste post, mas deu vontade de escrever de novo, desenvolvendo alguns temas.

Algumas pessoas não ligam muito pras refeições. Eu sou o tipo de gente que se passa uns dias comendo coisas mal feitas ou sem graça, vou ficando triste. Este é um post pra quem gosta de comer, e tem que equilibrar o gosto pela comida com as questões de saúde, e balança e espelho.

— x—- x

Suas escolhas do que você põe na boca repercutem em tudo (Tinha que escrever uma frase como esta). Carnes magras, frutas, verduras, legumes, cereais, grãos – essas coisas transparecem na pele, no cabelo, na sua disposição, na sua saúde. Refrigerantes, doces, enlatados, frituras, embutidos, sanduíches, ah – álcool – também.

Quem come pouca comida industrializada ou processada, pouco doce-álcool-frituras-gorduras é mais saudável e geralmente mais magro do que os reles mortais. E quanto mais você se alimentar das comidas naturais, melhor pra você. Eu sei disso, todo mundo sabe disso, mas talvez você pense como eu pensava. Eu achava que no dia que eu precisasse ir pro mundo das carnes magras e legumes no vapor entraria em depressão.

Quatro anos atrás não passei no exame de triglicérides e tive que mudar meus hábitos alimentares. Emagreci 11kg em 2 anos. Não fiz dieta nem exercícios, só mudei meus hábitos.  Meu menor peso foi 63kg em meados de 2014, quando comecei a ficar com o rosto encovado. O Cris disse que eu estava ficando com cara de gente que passa fome. Relaxei na alimentação, concordei que 63 ou 60 era demais pra mim. Passei um bom tempo no 65-66 e hoje estou no 68, graças a uma esbórnia no mês passado, em que a gente compensou a ausência de viagens com muitas idas a restaurantes, algo que ferrou nosso orçamento mensal e nosso peso.

No ano passado entrei pra uma academia, parei em março. No final de maio comecei o treinamento funcional e apesar de morrer em várias aulas estou achando muito bom. Medi hoje e descobri que estou com a mesma cintura e com 4cm a menos de quadril do que quando eu pesava 63kg. Pesar mais mas diminuir medidas é mérito dos exercícios físicos.

 

Queria compartilhar alguns hábitos, escolhas, pratos que tornam possível se divertir muito com as refeições, e ainda emagrecer e passar nos check ups anuais. Não é o mais saudável ou mais light, e sim o que a tem funcionado pra gente. Quanto mais você se aproximar da alimentação natural e menos dos industrializados, e menos álcool, melhor pra sua saúde e silhueta. Faça check ups anuais, se possível tenha acompanhamento de um nutricionista, e assim você vai descobrindo o que é melhor pra você.

Neste post vou falar principalmente dos alimentos que você precisa tirar da rotina. Num outro post sobre refeições práticas e gostosas pra preparar em casa. E também sobre as deliciosas e não tão light, que nos trazem lembranças das viagens pra outros países, e que é bom pra fazer de vez em quando.

 

Tire os pós brancos da rotina

1 – Açúcar

Tem gente que não gosta de doce, e a vida dessas pessoas é mais fácil neste quesito. Não é o meu caso. Adoro doces e tudo que engorda. Cresci numa família em que rotineiramente tinha bolo recheado, pudim, rocambole, tortas, coxinhas, esfihas, pão-de-queijo, pão-caseiro, bolo salgado, pastel, bolinho-de-chuva, rosquinha-de-São-João, biscoitos caseiros. Não era só em dia de festa. Minha casa era frequentada por muita gente, e minha vó e minha mãe preparavam quitutes pras visitas. Sempre tinha refrigerante e sorvete. Meu pai levava a gente ao mercado e podíamos escolher aqueles doces e salgados vendidos à granel. A família do meu pai tinha um bar e às vezes ele chegava em casa com esfihas, croquetes, lanches. Meu pai trabalhava em São Paulo e chegava no fim de semana com o pão de semolina do Frango Assado, e uma bandeja com vários doces de padaria.

Uma infância feliz e com muito comfort food. Mas que depois de adulto, se você mantém os mesmos hábitos vai engordando.

Adoro os bolos e tortas do Amor aos Pedaços. Adoro as sobremesas dos restaurantes. Mas depois de ter ganhado o cartão vermelho no triglicérides passei pela fase de desintoxicação alimentar dos doces.  Como doces de vez em quando, mas:

– não sinto mais aquela vontade louca de precisar comer algo doce.

– na minha casa tem poucos doces, principalmente os deliciosos. Não faço pratos doces, exceto brigadeiro pro Daniel bem de vez em quando. “Por que você não cozinha doces gostosos, já que você gosta tanto?”, “Porque não sou trouxa. Tenho tendência a engordar e já tive problemas com triglicérides. Não posso jogar contra mim”.

– às vezes como sobremesas. Em fases de esbórnia, como no mês passado, sou capaz de comer sempre, e isso engorda muito. Mas no geral evito as sobremesas, mesmo que esteja com vontade de comer algo doce. Até leio a descrição das sobremesas, o Cris pergunta se eu quero algo, sorrio, minto, digo “não, só a conta”. Chego em casa e tomo um chá (sem açúcar), quentinho e aromático. E logo a vontade passa.

– Temos Hershey’s 60% de Cacau, barrinhas de cereal, frutas, às vezes tem paçoca, sobremesas lácteas, gelatina. Mas são coisas pra comer de vez em quando. Uma paçoca. Dois quadradinhos de chocolate. Um flan. Uma barrinha. E não todos os dias.

Açúcar causa dependência química. Se você estiver morrendo de vontade de comer doce, não coma. Trate como se fosse desintoxicação mesmo, leve a sério e com orgulho. Volte a comer doce só quando você puder comer com moderação, sem fissura, sem glutonice. E se conseguir não comer, melhor ainda. Açúcar só faz mal.

 

2 – Farinha

Farinha engorda. Espero que você não pare de comer tudo que tem glúten, porque dizem que isso aumenta muito suas chances de desenvolver intolerância a glúten, o que pode tornar sua vida um inferno. Conheci uma moça que desenvolveu intolerância a glúten e tudo fazia mal. Ela emagreceu muito, mas de um jeito ruim e a um preço bem alto. Cuide-se pra não desenvolver intolerância.

Adoramos pães. Pão quente com manteiga, uma das melhores coisas que existe. Adoramos pizza, massas, esfihas, pães indianos, pães árabes, pães artesanais.  Quantas coisas deliciosas. Mas a gente come pouco na rotina. Uma fatia de pão integral no café da manhã. Um jantar que precisa de um carboidrato, um pouco de pão pro couvert. Fazemos massas de vez em quando,  4 vezes no mês, em geral um penne ou um espaguete com molhos simples.

As exceções: quando decidimos fazer brunch, ou uma refeição tipo boteco, ou quando vamos almoçar ou jantar num árabe. Tem um árabe ótimo perto de casa, mas não sei ir lá e não pedir aquelas esfihas que eles assam na hora, os pães feitos na hora. É muito bom. Mas me engorda 1kg. Não é figurativo. Eu me peso todos os dias e sei o que ferra a rotina.

Batata não é farinha, mas engorda como farinha. Não pense na batata como um legume, e sim como um dos alimentos pra comer com moderação.

 

3 – Diminua o sal

Diminui sua chance de ter problemas com pressão alta. Diminui retenção de líquidos. Em pouco tempo seu paladar fica mais apurado, você passa a sentir mais o sabor dos alimentos.

 

4 – Cocaína

Não tenho experiências com cocaína, mas como estava falando de pós brancos, não podia deixar de mencionar :). É só uma citação infame. A relação com a cocaína é que dizem que açúcar e farinha são tão viciantes quanto. Pós brancos capazes de escravizar as pessoas.

 

5 – Quanto menos frituras, melhor

 

6 – Essa é doída de dizer, mas álcool só faz bem se você for do tipo que consegue tomar só um cálice de vinho tinto. Eu nunca consigo, é sempre meia garrafa. Vinho, cerveja, pinga, vodka, uísque. São coisas que seria melhor não consumir, mas eu gosto muito. Elas engordam, mas decidi que enquanto eu continuar passando nos exames de sangue, aceito ser mais gorda pra poder continuar bebendo.

 

Coma gostoso sempre

Sabe as descrições de cardápio de dietas, com queijo branco, gotas de azeite, carnes magras, legumes cozidos no vapor? Você pode chegar lá, mas eu não faria isso de uma vez.

Se você segue o cardápio da dieta com rigor, você emagrece rápido, mas é difícil seguir por muito tempo e quando você volta à rotina engorda rápido.

Por isso sou contra dietas. Acho que o certo é fazer reeducação alimentar. Cortar açúcar, farinha, frituras (queria dizer álcool, mas não consigo), menos industrializados.

Faça adaptações no cardápio pra que a comida fique gostosa, saborosa, mesmo que seja mais calórica. Tempere com mais azeite. Acrescente queijos, mesmo que não seja o branco. Use salsinha, coentro, gengibre, curry, mostarda, páprica, temperos pra dar sabor pra comida, pra que você se sinta comendo algo gostoso e não vá caindo pra depressão. Troque itens. Que tal em vez de salada com frango grelhado, uma bisteca de porco (sem a gordura), com a salada? Pra não enjoar rápido, pra não se sentir sofrendo o tempo todo.

É mais saudável e menos calórico comer legumes no vapor. A gente raramente faz. Em geral nossos legumes são tostados na frigideira com um fio de azeite e uns pedacinhos de alho.

Nas refeições do dia a dia foque em legumes, salada, carnes. Evite massa, tortas, bolinhos.

Durante um tempo, pra manter o pique, quando for sair com seus amigos não vá pro boteco com fome. Coma em casa, ou leve uma marmita saudável pro trabalho e coma antes de ir. Assim fica mais fácil não cair na esbórnia.

Faça acordos com você, com datas. Algo como: “nas duas próximas semanas não vou comer nenhum doce”. E não coma. E quando chegar o dia em que a promessa acabou, tente não ir pra esbórnia, e se possível  começar um novo acordo “sem frituras pelas próximas duas semanas”, e você vai se acostumando.

 

Jogue a seu favor

– compre uma balança e se pese todos os dias, inclusive no dia seguinte a algum jantar em que você quebrou todos os acordos. Ver um número alto na balança, e o desgosto disso, te dão força pra fazer as coisas direito da próxima vez. Você vai condicionando sua cabeça à ideia de que toda ação tem consequências.

– não tenha em mãos coisas industrializadas e engordativas. Faça compras pra ter frutas, cereais, queijos saudáveis.

– não deixe família, namorado, amigos te sabotarem. Se alguém ficar te enchendo pra comer tal coisa, fale sério com a pessoa “eu estou tentando mudar meus hábitos alimentares pra viver mais. É muito difícil mudar hábitos, e eu sinto muita falta de todas essas comidas que você quer que eu coma, mas sei que não fazem bem pra mim nem pra ninguém. Será que você pode não me atrapalhar?”