Pelo menos o céu eles não podem taxar e controlar

Na verdade, se junto com o céu estivesse alguma formação icônica de um parque, a foto não é mais totalmente sua.

Nesses dias em que voltei a me envolver com a comunidade dos birdwatchers conversei com algumas pessoas que já foram proibidas de fotografar num parque — e nunca mais voltaram. Alguns me falaram de problemas no parque tal, conversamos mais, ela me fala “mas deixa eu checar como está agora, porque já faz um tempo que eu fui”.

Eu sei como é.

É como minha relação com o Horto de Campos do Jordão. Depois que me proibiram de fotografar, em 2009,  não tive mais interesse em voltar. Nesses 8 anos voltei lá três vezes — e olha que vou várias vezes por ano pra Campos. Oito anos em que eu poderia ter feito vários registros dentro do parque e compartilhado as fotos com a administração, feito divulgação do lugar.

Faz mais de 10 anos que as câmeras digitais são populares no Brasil. São 10 anos em que dezenas de milhares de pessoas poderiam ter fotografado com alegria e dedicação as Unidades de Conservação brasileiras. Pra registrar, fiscalizar, promover, proteger.  Mas em vez de criar esse vínculo com a população, o que nossas autarquias fizeram nesses 10 anos? “Tem autorização para fotografar?”

—— x —- x

Em março de 2016 foi publicada a portaria estadual 236, que descriminalizou o porte de câmera grande. No fim de semana passado fui ao Horto, almoçar no restaurante D. Chica, e aproveitei pra fazer mais um experimento — de andar com a câmera à mostra. Nenhum problema. Em vez de seguranças dizendo que é proibido fotografar, havia funcionários com camisetas do parque, com aquele jeito de gente pra quem você pode pedir informação, você olha pra pessoa e fala bom dia.

As fotos deste post foram feitas em Wenceslau Braz – MG, logo depois da divisa com Campos do Jordão. Tudo numa manhã só.

Ainda que não seja mais proibido fotografar nas UCs da Fundação Florestal, confesso que foi uma alegria grande pegar esse nascer do sol maravilhoso sabendo que eu tinha acabado de sair do parque e que as fotos eram só minhas. Como falei no outro post, eu, e provavelmente outras pessoas, podendo escolher sempre vamos pra beira de estrada fora do parque. Mesmo sendo altamente improvável fazer algo comercial com a foto, ninguém quer se sentir amarrado.

A portaria que descriminaliza o birdwatching nas UCs da Fundação Florestal foi um grande passo, mas queremos mais. Não basta sermos apenas tolerados, queremos o fim do controle sobre as fotos, da política que tolhe iniciativas, que castra nossa vontade de registrar e divulgar as Unidades de Conservação.

Precisamos de uma mudança de cultura. Chega de gestor que acha que cidadão precisa pedir autorização pra tudo. Gestores: buscar controle total é um erro. Tratem as pessoas como gente, como seres humanos. Incentivem alianças, iniciativa e criatividade. Burocracia e controle é o caminho errado, é o caminho que vocês seguiram até hoje, e veja aonde levou.

——— x ——- x

Saio de férias amanhã, não sei se consigo blogar durante a viagem. Se não conseguir, volto no início de agosto.