O poliamor x a instituição familiar

Uma conversa com um amiga bem querida, me contando que estava na aula de pole dance, e recebeu uns olhares feios do pessoal do poliamor quando ela contou que já tinha feito aulas de pompoarismo.

Eu não sabia o que era poliamor (não há limites pra o quanto posso ser desatualizada), ela me explicou, até falou que já estava valendo em São Paulo. Fiquei curiosa e fui dar uma olhada, mas não achei algum texto dizendo que vale mesmo, só o polêmico da tabeliã de Tupã http://www.estadao.com.br/noticias/geral,uniao-estavel-de-tres-abre-polemica-sobre-conceito-legal-de-familia,922730

Também tive a felicidade de topar com o texto de Rodrigo Constantino http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/tags/poliamor/, que é o tipo de texto que me lembra por que parei de ler jornais e revistas, há décadas.

Olha as pérolas Constantinas:

Tenho dito e repito: os “progressistas” avançaram tanto na questão sexual que em breve chegaremos ao estágio incrível dos cães. Sexo entre parentes, filho e mãe, irmãos, tudo no meio da rua mesmo, pois pudor é coisa de gente careta. A velhinha canadense vai explicar direitinho como usar todos os tipos de vibrador. Vai um rolezinho do sexo em praça pública aí, garotada?

É sujo. É o tipo de texto pretensamente jornalístico que eu odeio. O cara vai linkando um monte de coisa, misturando tudo, e assim acha que pode dizer que poliamor significa bestialismo, pedofilia, incesto, abusos diversos. Outra: ele acha que é chocante a ideia de uma velhinha ensinando a usar vibradores, porque, como todos sabem, velhinhas não têm mais direito à vida sexual, quanto mais conhecimento sobre vibradores.

Certas tradições, como a própria família, têm sua razão de ser, desenvolveram-se não por acaso, mas como pilares fundamentais do progresso e da proteção das nossas liberdades. Não se brinca impunemente com esse tipo de coisa.

Eu não sei o que acho do poliamor. Se fosse pra votar, não sei se votaria contra ou a favor – ainda não sei. Mas tenho algumas certezas:

– Pau no cu de quem defende as instituições familiares como pilares fundamentais do progresso e proteção das nossas liberdades. Casamento de um homem com uma mulher, que resulta em uma família feliz, estável, onde há confiança, amor, fidelidade, transparência, dedicação ao desenvolvimento das crianças, espaço pra felicidade individual de cada membro? Em que mundo o casamento de um homem e uma mulher é garantia disso?

– Pau no cu, duplamente, de quem diz “vai virar bagunça! Quem vai cuidar das crianças? Se os envolvidos se separarem, quem vai assumir as responsabilidades?” Como se o casamento nos moldes atuais significasse que as pessoas sempre são racionais, responsáveis e cuidam das crianças.

– 10 chibatadas pra quem tem certeza absoluta de que poliamor só pode significar surubas e orgias intermináveis. Quem quer surubas e orgias intermináveis não passa perrengues pra se casar com alguém ou alguéns. Que louco acha que a grande vantagem do casamento é poder ter a mesma ou as mesmas duas ou três pessoas pra transar todo dia? Casamento significa se comprometer nas esferas da vida que vão além do sexo da fase de namoro. É morar junto, cuidar de uma casa juntos, fazer dívidas, planos, filhos. Lidar com a rotina, com o futuro, com a família uns dos outros, com incertezas, com a perspectiva de doenças, velhice, morte.

Como falei, não sei se votaria contra ou a favor do poliamor. Mas ver o pessoal que é contra usar argumentos como se as famílias nos moldes atuais fossem o supra-sumo da civilização, que precisa ser defendido a todo custo dos bárbaros depravados que querem instituir a decadência moral foi demais pra mim. Tive que parar de editar fotos da Espanha pra escrever aqui.

Ah, caso você tenha ficado meio confuso… será que sou só eu conheço e sei que há tantas famílias em que o pai ou a mãe batem muito nos filhos, ou que o marido bate na mulher, ou que os pais não querem saber de cuidar das crianças, ou têm amantes, ou se separam e não querem pagar pensão ou querem esquecer que os filhos existem, ou então moram juntos mas vivem num clima de guerra? Ou crianças que vivem como se não tivessem pais, ou órfãos mesmo. Ou abuso de crianças por parte dos pais ou de parentes. Terapia existe pra cuidar de gente que viveu numa família maravilhosa, que te compreendia, apoiava, orientava, mas você foi o trouxa que não soube aproveitar.

Família é fundamental sim pra civilização e pro crescimento de uma pessoa. Mas tenta me dizer que o fato de ser um homem e uma mulher é o que garante uma família feliz e eu vou rir, ou socar seu peito com gosto.  “Não se mexe em time que está ganhando”, ainda haveria um ponto a se discutir. Mas nossos moldes atuais nem de longe são o time vencedor, eles são é argumento pra defesa de casamentos homossexuais, e talvez poliamor.