Mitos e verdades sobre selfies

1 – É errado tirar selfie?

Claro que não. Selfies fazem parte da nossa história de vida, lembranças e autoconhecimento.

Como todos sabem, a fotografia é uma ilusão. Quando você fotografa um lugar, está escolhendo um enquadramento, um recorte, uma hora do dia, e tudo isso mais suas habilidades como fotógrafo, seu equipamento, e o tratamento que você dará ao arquivo depois criam impressões muito diferentes.

Fotografia de pessoas não é muito diferente. A aparência de alguém muda muito conforme luz, ângulo, cenário, qualidade da câmera e do fotógrafo, estado de espírito da pessoa.

Basta não esquecer disso: fotografia é uma representação, não é a realidade. Ter saído mal numa foto não significa que a pessoa é feia, e uma foto boa talvez traga uma decepção quando você ver ao vivo.

A gente devia se fotografar sempre. É tão fácil. Cria um histórico. São informações sobre nós. Mais do que informações, ajudam a nos compor. Aquele questionamento do Roland Barthes, de olhar pra uma foto e se perguntar se aquela imagem representa a pessoa.

Me contemplar no espelho muda meu rosto. Delinear sobrancelha, maquiagem, arrumar o cabelo, colocar brinco, e também a expressão dos olhos, tensão muscular, todas essas coisas interferem na sua aparência. E quando você ficar satisfeita com o que viu, click, e aí fica o registro de uma boa lembrança, e uma referência.

Um trecho que sempre lembro de O Dicionário Kazar. Sobre a Princesa Ateh, que alguns diziam ser linda, outros diziam que ela não tinha nada de especial, mas que compunha seu rosto todas as manhãs em frente ao espelho. Eu sou daquelas que não tem nada de especial, então volta e meia preciso compor meu rosto, com a ajuda da parafernália feminina, mas também de uma câmera.

2 – Por que as pessoas falam mal dos selfies?

Como tudo na vida, o problema é o exagero. Super-exposição. A pessoa querer se fotografar e publicar TUDO que ela está fazendo.

Outro problema é quando parece que o selfie importa mais do que qualquer coisa. Ir para um lugar lindo e em vez de ficar olhando, apreciando, absorvendo, a coisa que mais importa é ter uma foto que prove que você esteve lá. Por exemplo, Torres del Paine é um dos lugares mais espetaculares do planeta, com rios azul-turquesa, formações rochosas com faixas rosa e marrom escuro. Condores. Flamingos. Há uma estrada nova, que não existia quando fomos em 2005 e 2007. E agora há muitas vans correndo a alta velocidade pelo parque, parando em alguns pontos, desce todo mundo, fotografam-se com o cenário ao fundo, sobe de novo na van, rápido pra outro ponto. Eita. Que tal ir pra um estúdio com vários cenários bonitos? Bem mais barato.

Ter fotos de si em lugares bonitos é ótimo. Mas de jeito nenhum deveria ser a principal preocupação da viagem.

Eu e o Cris achávamos esse negócio de selfie tão estranho (quando ainda nem tinha esse nome), que a gente foi pro extremo inverso: teve viagens em que a gente não fez nenhuma foto nossa. Nenhuma. Claro que isso também não está certo, porque rever fotos de viagem e ter pelo menos uma de si é algo que valoriza as lembranças. Agora a gente se policia para pelo menos em algum momento tirarmos selfies.

Acredite ou não, nesses mais de 10 anos juntos, e alguns terabytes de fotos de viagens, não temos mais do que umas 20 fotos de nós dois juntos em foto de selfie, ou com timer da câmera. E a maioria das fotos é de dois anos pra cá.

3 – O que é melhor do que selfie?

Supondo que você não está viajando sozinho. Pensa bem. O que é muito mais divertido do que foto posada? A foto não posada, é claro. Que tal desenvolver seu olhar fotográfico e diminuir a dependência de fotos posadas? Olhe pras coisas, olhe sempre, com um olhar amoroso e atento. Esteja pronto. Fotografe seu amor, seu amigo, ou as pessoas, com esse olhar fotográfico, que traz muitas informações sobre o lugar e o momento. Não estou dizendo que é fácil, mas é bem mais divertido do que as fotos fechadas só em pessoas da metade do peito pra cima.

4 – É mico tirar selfie?

Claro que é mico. Com pau de selfie, mais mico ainda. Ficar fotografando outras pessoas também é um pouco mico. Mas e daí? Não ter medo do ridículo, e do que as pessoas vão pensar ou falar de você, contribui para a felicidade.

As fotos são o souvenir de um momento da sua vida. Tenho centenas de milhares de fotos de natureza, porque nossas férias e passeios em geral são pra fotografar natureza. Mas tenho poucas fotos de gente, e quase nada de selfies. Gostaria de ter registrado mais vezes as pessoas. Agora com o celular fica fácil. Tira o celular da bolsa ou do bolso, clica, guarda de novo, volta a curtir o momento.

5 – Tirar selfie é ser narcisista?

Você conhece a lenda de Narciso, certo? Narciso morreu porque se apaixonou pela própria imagem refletida na água e não conseguiu mais sair de lá. Ou seja, é só aquela questão de exagero e saber o valor das coisas. Ter um bom selfie não deveria ser a parte mais importante da viagem, passeio ou programa. Não precisamos ter selfies de tudo que fazemos. Mais divertido do que o selfie são as fotos não posadas, que captam um momento.