Misantropos são invisíveis?

oi …! Adorei seu email, estou bem animada pra falar disso, me pergunte sempre qualquer coisa que quiser.

Você me perguntou se misantropos são invisíveis.

Eu acho que somos sim, pra maioria das pessoas. É triste, mas é compreensível e óbvio. Mais de 90% das pessoas não valem a pena. Mais de 90% das pessoas não fazem ideia de quem nós somos, não há vibe, não há sintonia, não rola. Se mais de 90% das pessoas vivem confusas, sem saber seus valores, quem são, do que gostam, o que é importante, sendo facilmente enganadas e manipuladas, escravizadas pela publicidade, pelos orcs… pensa bem, não faz todo o sentido que essas pessoas não nos enxerguem?

Pra elas somos apenas gente quieta, tímida, feia, sapatas ou sei lá. Porque é assim que elas enxergam o mundo. Ou você é um estereótipo de gostosa, ou não é ninguém.

Quer deixar de ser invisível? É fácil, entre no jogo. Vista-se, mova-se, e fale pra ser vista. Você vai ficar horrorizada, mas é verdade que saia curta, decote, batom são grandes facilitadores. O dia que eu virei o pescoço do Angeli na Bienal estava brincando de colegial japonesa, com minissaia e meião até o joelho. Mas não teria chamado atenção se estivesse de roupas grandes e largas.

Se você tiver uma aparência mais chamativa, você deixa de ser invisível. Pelo menos à primeira vista, pelo menos pra ser considerada ser humano. Você pode escolher não entrar no jogo, mas isso diminui bastante suas chances de começar algo com alguém. Você viu como é.

Hoje eu me sinto bem confortável em ser invisível, em não chamar a atenção. Mas tenho o Cris, há 13 anos. Posso te contar como era quando eu estava na pescaria.

Como falei, cresci me sentindo feia e sem graça, achando que ser feliz como nos filmes não era pra mim, sem conseguir enxergar interesse dos garotos porque ninguém poderia se interessar por alguém como eu. Mas daí em São Paulo aconteceu a tal revolução, que foi o início da minha vida sexual e a descoberta de que padrão de beleza importa pouco se você está disposta a transar.

Fiquei e transei com vários caras só por ficar, por experiência de vida, por achar que isso era bom pra mim como ser humano. Há 20 anos atrás, no início dos chats, quando ainda havia reportagens que falavam do quanto era perigoso se encontrar com gente que você conheceu pela internet. Começávamos a conversar, às vezes a conversa evoluía a ponto de querer encontrar a pessoa, e às vezes rolava.

Você encontra gente ao vivo, às vezes se interessa por um cara, começa a conversar com ele e ele se assusta com você. Eu sei bem como é. E não vou te falar que é fácil. Os vários caras com quem fiquei, fiquei por ficar, mas não achava que ia dar alguma coisa mais séria. Um dos motivos de me apaixonar pelo Cris foi porque ele não tinha medo de mim, da minha intensidade. Claro, depois fomos descobrindo tantas coisas em comum. Mas só de encontrar alguém que não se assusta com você, que não reage com agressividade ou algo assim, já é muita coisa.

Eu também descobri que era mais fácil me relacionar com caras mais velhos ou mais novos. Os da minha idade em geral eram os mais inseguros e agressivos.

O que estou querendo te dizer é que você está mesmo numa situação difícil. Acho que não vai ser fácil ficar com um cara legal, da sua faixa etária, que você conhece conversando ao vivo. O que você me descreveu é o que provavelmente vai continuar acontecendo.

Estamos na pescaria, e talvez você encontre alguém que não tenha medo de você, alguém à sua altura. Mas é pescaria, entende? Tem a espera, o acaso, a sorte.

Você é uma misantropa. Portanto, inteligente, consciente, esperta. Talvez você tenha um pouco de timidez, e sabe o que penso da timidez. Não serve pra nada, é algo pra gente extirpar da vida.

Acho que você devia experimentar mais. Ficar com uns caras sem precisar pensar muito. Como experiência de vida, vivência, curiosidade antropológica. Quando eu tinha uns 24 passei um tempo saindo com um jornalista de mais de 60. Meus amigos estavam horrorizados. “Ele… ele… ele é um velho!” (15 anos atrás as pessoas de 60 eram bem mais velhas do que hoje em dia). Eu não me importava. Também passei um tempo saindo com um garoto de 18, que a gente chamava de meu Lolito, barely legal :).

Experimenta.

Vença o monstro da timidez, ou do medo de ser julgada, de ser rejeitada, e se exponha. Essas coisas fazem muita diferença na vida, tenho certeza de que sou uma pessoa melhor pelas coisas que eu vivi. Somos misantropos, mas também somos inteligentes, e sabe que a interação com as outras pessoas é uma das formas mais intensas e rápidas de aprender, amadurecer, ganhar mais tranquilidade, mais amplitude, mais visão do mundo.

Sabe que eu sou feminista. Mas não vejo nada de errado em jogar o jogo a nosso favor. Em se vestir pra ser vista, em passar batom, em usar decote, isso não diminui ninguém. É só uma forma de chamar atenção, de deixar bem claro que você está querendo chamar atenção. Seria mais fácil se a gente só pudesse ligar uma luzinha verde “tô a fim”, ou a vermelha, mas infelizmente, como não tem a luzinha, temos que lidar com aparência. E lembrando sempre que não importa sua roupa ou sua maquiagem, nada, absolutamente nada justifica um cara ser agressivo ou achar que pode abusar de você. Podemos nos vestir pra chamar a atenção, mas só um cara uga-buga acha que chamar a atenção é sinônimo de abuso.

Você é linda …, tenho certeza. Como todas as pessoas podem ser lindas quando elas se livram dos entulhos de neuroses com padrão de beleza, insegurança, medo de ser julgada, medo de que vão falar mal de você.

Você deve ter uns 20 e poucos anos. É uma fase terrível, os caras são muito inseguros e idiotas, é difícil mesmo… Um dos meus melhores amigos, alguém que eu conheço desde que ele tinha 12, reencontrei umas semanas atrás em Limeira. Fazia 7 anos que a gente não se falava, mas quando nos encontramos, parecia que ontem ele estava em casa tocando violão no meu quarto, a gente cantando músicas do Legião Urbana. Ele está namorando uma menina 17 anos mais nova, ela tem 23. Ele falou que um dos problemas é que ela é muito ciumenta, a ponto dele quase ter terminado. E ele fala coisas do tipo “… você é linda, você é nova, você tem seu trabalho, quem devia ter ciúme sou eu, você não tem motivo pra ter ciúme”. E que ela já perguntou “você não se incomoda por eu já ter transado com outros caras?”, resposta “imagine, de jeito nenhum, acho ótimo que você tenha tido várias experiências. Você ficou com vários e escolheu ficar comigo, é uma honra isso pra mim”, ela “puxa… como é diferente um cara mais velho”.

Imagino como deve ser difícil encontrar alguém legal da sua faixa etária.

Mas tentando ser mais prática, e me desculpa por um texto comprido e sem muita preocupação com estrutura, mas acho que é pela nossa… amizade, acho que podemos nos considerar amigas, faz meses que a gente conversa pelo blog :), estou escrevendo dessa forma mais frouxa, mas voltando, as sugestões são:

1 – experimenta entrar no jogo. Como experiência de vida, como experiência antropológica. Vista-se pra ser vista, usa batom, muda algo do cabelo. Use decote, use saia curta, use calça justa, ou roupas que mostrem que você se sente à vontade com seu corpo. E se olhe no espelho, e arrume seu rosto (daquele jeito que falei, que é menos maquiagem ou acessórios, mas principalmente magia. Energia, pensamentos), se olhe até saber que você é linda. Linda não pra seguir um padrão de beleza, mas linda por gostar de si, por saber quem você é, por ter orgulho de você, sei que você tem orgulho de ser quem é, deixa isso transparecer, deixa que seu olhar, sua linguagem corporal, o espaço que você ocupa transpareçam isso. Sei que também pode assustar os fracos, mas se você estiver vestida pra ser vista, o mix fica bom 🙂

— essa história de se vestir pra ser vista é triste, mas o fato é que os homens morrem de medo de serem rejeitados. Então você tem que dar sinais bem claros de que eles têm chance. Fora isso, na faixa dos 20 e poucos infelizmente rola muito insegurança também, o cara pode até gostar de você, mas ele não vai ficar com você se achar que os amigos podem rir dele porque ele ficou com uma menina que não está dentro de uns padrões mínimos de beleza, entende?

2 – Vista-se pra ser vista, e quando estiver conversando com o cara que te interessa, você tem que tentar a aproximação física. Sabe como é, certo? Você invade um pouco o espaço da pessoa e vê como ela reage, se ela gosta ou não. Toca a mão, o braço, o ombro, em algum momento da conversa passa a mão pelo ombro da pessoa como se fosse um semi-abraço rápido, e vai percebendo se ela gosta disso ou não. É uma dança com passos pequenos. Você dá um pequeno passo, e vê se ele corresponde. Se ele corresponder, você avança um pouco mais. Se ele não corresponder ou até recuar, você também recua. É bem fácil, basta você cultivar sua auto-confiança. E por isso que é importante se sentir bonita. Se você não se sente bonita, é fácil cair em armadilhas de insegurança, transparecer isso na linguagem corporal, na falta de coragem em tentar algo.

3 – Seu cabelo está bom? Eu tive cabelo curto por vários anos, depois cresceu, e hoje em dia sou ruiva a maior parte do tempo, em tons variados, às vezes mais pro cobre, às vezes mais pro incêndio. Pinto todo mês, uso água oxigenada 40. Descobri que faz muita diferença se eu uso cremes leave in ou não. Gostei bastante de uns da Forever Lizz, mas acabou, e resolvi experimentar um baratinho da Tresemeé Keratin Smooth, é ótimo.

4 – Cabelo e pele boas, batom, um pouco de decote ou saia curta, linguagem corporal de quem se sente à vontade com o próprio corpo, e você vai deixar de ser invisível.

Sobre eles tirarem sarro do jeito como você fala… as pessoas podem ser cruéis mesmo. Acho que a melhor estratégia é você tirar sarro de você quando alguém começar a falar. Não se deixe intimidar. Conte alguma história bem ridícula de algo que aconteceu com você, ou tire sarro, compare com algo. Demonstre que você não se incomoda com isso. Eu não saberia dizer qual exemplo usar, mas posso falar de outras situações.

Lembro de uns colegas de trabalho, um deles tinha acabado de ter um filho, o outro (eles são grandes amigos), falou “E o … acha que o filho é dele… mas tudo bem, pai é quem cria”, e o outro respondeu “Cara, sabe que o menino nasceu a cara de um amigo da … que é modelo, mas eu não consigo entender, não sei o que aconteceu”. E teve alguma vez, numa conversa com uns amigos, eu estava com uma mochila e falei “pode por aqui atrás”, eles falaram algo do tipo “sei, pode por atrás”, e eu respondi com algo como “claro que sim, pode por atrás que eu gosto” – e vi que eles ficaram surpresos, porque acharam que eu ia ficar constrangida, ou vermelha de vergonha, e não fiquei. A graça do bullying, mesmo quando não é um bullying pesado, mais aquela azucrinação entre amigos ou colegas, a diversão é incomodar o outro. Se você mostrar que aquilo não te incomoda, perde a graça. Ou vocês riem juntos, ou então eles mudam de assunto.

E os aplicativos pra conhecer gente, você já experimentou?

Experimente. Também é pescaria, mas ao mesmo tempo é mais fácil pra conversar com as pessoas, pra descobrir rápido se há interesses em comum.

Eu acho que você devia fazer tudo. Escolher os momentos que você quer ser vista, saber e sentir que você é linda, enfrentar os momentos de interação e não deixar mais ninguém te zoar pelo jeito que você fala, porque você vai zoar mais ainda, vai mostrar que aquilo não te atinge, que você tem bom humor e sagacidade. E experimentar os aplicativos também.

Será que falei demais? Será que consegui ajudar de algum jeito? Me fale o que você achou, o que você discorda, o que você tem dúvida. É sempre um prazer conversar com você.