Livre-se da insegurança

Livre-se da sua insegurança

Insegurança e ansiedade são os principais motivos pra um relacionamento nem começar ou degringolar.

Trauma é trauma, sei que é ruim, mas se não puder pagar terapia, use a inteligência pra massacrar o tema, use seus amigos pra conversar sobre o assunto. Pense sobre o assunto, escreva sobre ele, faça um ritual simbólico, até aquilo não doer mais. Areje esse quartinho fedorento pra ele parar de empestear as outras áreas da sua vida.

“Não gostou de mim, não serve pra mim” – é simples assim. Se o que importa ao outro é aparência de modelo, corpo sarado, roupas de grife, conta bancária, cargo – tchau. Deus me livre de me relacionar com alguém assim, seria um pesadelo.

Eu sei que o mundo é um lugar difícil, aparentemente dominado por gente fútil, burra, insonsa. Mas nem todo mundo é assim. As pessoas capazes de enxergar o outro de verdade estão por aí. Quantitativamente devem ser bem menos, mas existem, e você pode encontrá-las.

Mas antes tem que parar de se sabotar.

– Homem como provedor é uma imagem antiquada. Sabe todos os meus textos sobre feminismo? Eu fico falando só do mais grave, que é o fato de mulheres sendo assassinadas, mutiladas estupradas, impedidas de decidir quando querem ter filhos. Mas a visão do que é o papel de um homem e de uma mulher faz parte do feminismo. O homem não tem obrigação nenhuma de ser mais rico do que a mulher, ser o provedor da família. No meu caso o meu marido é, mas só porque havia uma diferença bem grande dos nossos salários, o meu salário não era algo que faria a gente se aposentar mais cedo, se fizesse, com certeza não era certo eu parar de trabalhar. Mas o Cris ganha o suficiente pra gente guardar, viajar, eu gasto pouco, então vivemos bem assim. Se fosse eu a pessoa a ganhar bem mais dinheiro, ele poderia ser a pessoa pra ficar em casa se ele quisesse. Aliás tem uma prima da minha mãe que é assim: ela trabalha, o marido cuida da casa.

– Não tem nenhuma função que precisa ser homem ou mulher. Eu abro portas, carrego sacolas. Muitas vezes porque o Cris está distraído, outras porque é pesado e a gente tem que dividir. Se um homem carrega algo pesado pra uma mulher, não deveria ser só porque ela é mulher, mas como um reconhecimento de que é bem mais cansativo pra ela, e pra ele é mais fácil. Se fosse uma mulher forte e um homem mais fraco, nenhum problema em a mulher carregar. Eu abro a porta do carro e carrego sacolas pra minha sogra, enquanto o Daniel era menor eu sempre abria e fechava a porta do carro pra ele, em reconhecimento de que pra ele a porta do carro era bem mais pesada.

Não é questão de homem x mulher, mas de quem é mais forte. O mais forte deve ajudar o mais fraco. Se você começar a namorar uma garota que tenha mais dinheiro do que você, não deixe a visão antiquada do papel de homem e mulher atrapalhar isso. Se de vez em quando ela quiser pagar a conta, deixe, não se sinta humilhado, não tem nada de errado nisso.

O que um homem pobre tem a oferecer? Caráter, lealdade, atenção, carinho, conversa, companheirismo, risos, amor, sexo, prazer – nada disso depende das suas posses, depende só de quem você é.

Passear na praia de mãos dadas não custa nada, andar de bicicletas juntos não custa nada, fazer piquenique em parques é barato, acampar é barato, tem vários lugares da cidade bonitos pra se ver e que podem ser aproveitados gastando pouco, entrada de museus é barata, há várias exposições que são de graça. Tem muitas coisas pra se fazer que precisam de pouco dinheiro.

A única coisa que importa é você. Se vocês gostam de conversar, se sentem prazer na companhia um do outro, se querem se rever, é só o que importa.

Elimine da sua vida essa ideia de que ser pobre te limita. Se uma garota não quiser ficar com você porque você é pobre, sorte sua nem ter começado um relacionamento com alguém assim. Imagine só, namorar alguém pra quem o que importa é roupa de grife, seu carro, o que você vai comprar ou pagar pra ela, lugares da moda? Você não ia suportar alguém assim.

Somos o que somos. Se ela olhar pra você e te julgar pelas suas roupas, por não ser saradão, fique feliz de já saber logo de cara e não perder tempo com alguém assim.

Massacre a ideia de que a pobreza te limita. Não limita. Quem está colocando os limites é você, como você bem reparou.

Você não está enganando ninguém. Não está emprestando roupas do amigo, ou o carro do amigo, pra fazer pose, pra fazer de conta que tem o que não tem. Qualquer um tem chances com qualquer um. Se a garota gosta de conversar com você é tudo que importa. Ah, e se eu começo a namorar, depois eu a levo pra conhecer minha família, ela fica horrorizada com o local da minha casa, com os problemas que têm lá? Então tchau. Era um relacionamento muito fraco, ou uma mente muito fraca, se é isso que a abala.

Fortaleça as certezas sobre quem você é, suas qualidades, ser incrível, cultive isso, tire da sua aura esse pensamento sombrio de que pobreza é doença ou maldição.

Eu te contei os motivos pra eu ser incrível.  Você sabe que eu trilhei esse caminho, o de se livrar de uma imagem errada. Talvez o equivalente masculino a se preocupar com as posses é a preocupação feminina em ser bonita. Vivi 20 anos da minha vida me sentindo feia, infeliz por ser japonesa, com paixões platônicas e ignorando as paqueras que só podiam ser amizade, como alguém iria se interessar por alguém como eu.

Mas eu me libertei. Acabei com a minha auto-sabotagem a tempo de conhecer o Cris. Conheci o amor da minha vida e não tinha mais quartinho fedorento dizendo que eu não era boa o suficiente pra ele, que não tinha como dar certo.

Pare de se auto-sabotar. Use sua inteligência e massacre mesmo, acabe com essa ideia de que dinheiro importa mais do que importa. Não gostou de mim não serve pra mim. Alimente seu auto-conhecimento, sua força interior, tenha sempre de cor suas qualidades, seus méritos, aja sempre com franqueza, honestidade, simplicidade — e você vai atrair as pessoas certas.