Ideias pra deixar de ser tímido

Este post é pra mais um dos meus queridos misantropos que ficou feliz de descobrir este blog, e com quem estou papeando por email. Quando tem assuntos que acho que poderiam interessar a mais pessoas, tomo a liberdade de fazer um post em vez de só responder no email. Como nunca falo o nome da pessoa, acho que não tem problema e ainda pode ter utilidade.

Misantropos no geral são bem reservados, e muita gente acha que a gente é tímido. Muitas pessoas são tímidas, quer sejam misantropas ou não. O que é a timidez? Acho que a principal raíz da timidez é uma enorme preocupação com o que os outros vão pensar de você. Um pavor de falar a coisa errada, fazer a coisa errada, de ser olhado, julgado, dos outros rirem de você ou falarem mal de você.

Talvez você discorde a princípio. Mas pensa bem: o que você faria se você ligasse o foda-se mais vezes?

Eu não me acho tímida. Eu sou quieta, e juro que me divirto quando sinto uma leve surpresa nas pessoas se alguém começa a falar bobagem, frases alusivas a sexo e baixaria, e não conseguem me deixar vermelha ou constrangida porque eu respondo no mesmo nível ou falo algo pior. Antes do Cris, nunca tive problemas em demonstrar meu interesse por quem eu gostava, aliás, graças ao foda-se fiz coisas escabrosas, das quais não me arrependo, mas não posso contar em respeito aos vivos.

Não gosto de fazer apresentações, mas faço. Me sinto capaz de falar com qualquer pessoa sobre qualquer assunto, inclusive os pesados, como as situações de luto. E quando chegar a hora me imagino falando com o meu enteado sobre sexo, namoradas (ou namorados, se essa for a escolha dele), relacionamentos.

Como é que eu fiquei assim?

Algumas coisas me ajudaram. Eu estudei numa escola em que às vezes a gente encenava peças de teatro, acho que isso ajuda muito. Dizem que esse é um dos grandes segredos pra ser capaz de fazer qualquer coisa: pensar que não é você, que você está encenando um papel. Essas aulas aconteceram quando eu tinha 10, 12 anos. Não era nada dedicado a interpretação, apenas pequenas sketches, a gente criava o roteiro e apresentava. Não era pra julgar se seu colega era um bom ator, mas a capacidade de ir na frente da classe fazer algo ridículo, e ver seus colegas fazendo o mesmo, e descobrir que tudo bem.

Então essa pode ser uma das dicas: quer se livrar da timidez? Se você não teve essa vivência, de repente fazer umas aulas de teatro depois de adulto te ajudem em muita coisa.

Na adolescência eu vivia bem infeliz por não ser bonita e popular. Mas via que as pessoas gostavam de conversar comigo. Eu ainda não sabia que era inteligente, apesar de ser daquelas alunas que só tira notas altas, é considerada uma das melhores da classe, ganha troféus de melhor aluna da cidade – mas essas coisas não significam que alguém é inteligente, eu achava que tinha colegas bem mais inteligentes do que eu, mas que não se preocupavam em ir bem nas provas. Fui aceitar que era inteligente na faculdade, quando conheci meu melhor amigo, esse sim um cara muito inteligente, que eu admirava e respeitava, e que me falou que eu era inteligente. Só aí acreditei. Mas sei que sou burra pra muitas coisas.

Na adolescência também fiz algo que pra mim é um grande marco, considero uma das coisas que me ajudou a ligar o foda-se. Quando eu tinha 15 ou 16 anos, chamei na minha casa o garoto por quem eu era apaixonada, e sabia que ele não gostava de mim porque éramos grandes amigos, eu sabia quem eram os interesses dele. Mas eu estava apaixonada, e sabe como os garotos podem ser galanteadores com qualquer uma, então eu o chamei pra falar “eu sei que você não gosta de mim, que você gosta da fulana. Mas preciso ouvir isso da sua boca, pra parar de pegar qualquer pedaço de frase que você fala e achar que é um sinal de que pode dar certo com a gente”.

Quando você faz algo do tipo aos 15, tudo que veio depois parecia fácil.

E pra quem não teve a oportunidade de fazer algo assim, de morrer de vergonha quando se é adolescente, a dica é tentar arrumar alguma coisa na vida adulta que parece ser bem difícil e envergonhante. Faça. E espero que como eu, você descubra que é algo libertador (e não que você não queira mais sair de casa).

Na minha vida adulta também descobri que o tal padrão de beleza não importa muito, principalmente se você é mulher e decide que sexo não é tabu. Muitas portas se abrem e você passa a ter uma taxa muito baixa de rejeição se você dá a entender que é uma mulher disposta a se divertir.

Concordo que isso é uma das grandes vantagens de ser mulher e que pros homens é outra dinâmica. Mas há muito o que fazer. Já fiz posts sobre isso, mas vou escrever de novo aqui um resumão:

1 – Cuide da sua aparência. Se você estiver sempre com um bom corte de cabelo, um pouco de bíceps, sem barriga, e umas roupas que mostram isso (sem precisar falar dos itens básicos de dentes, unhas, pele etc), você já ganha vários pontos de cara. Não estou falando que gente que não cuida do corpo não pode conseguir encontros, claro que pode, só estou falando que cuidar do seu corpo, da sua aparência – de você, é algo que te dá as vantagens da primeira impressão. Tanto pra um primeiro encontro, ou pra arrumar emprego, ou pra qualquer relação.

2 – É meio cruel dizer isso, mas a verdade é que se você cuidar da sua aparência, muita gente que antes não olhava pra você vai passar a olhar. Sei que você é a mesma pessoa, que é só a casca. Mas o mundo funciona assim. Nem sei como você é, se essa já é uma questão resolvida, mas como é um post no blog, falo de tudo.

3 – Talvez ser gatinho pra um homem é o equivalente a não ter problemas com sexo pra uma mulher. Muitas portas se abrem só por isso.

4 – É uma decisão sua querer ter vantagens na largada. Quer você tenha, quer você não tenha, qual é o movimento pra se aproximar de uma garota? Conversar. Descobrir se vocês têm interesses em comum. Hoje em dia é tão fácil, a maioria das pessoas dá muita informação em Facebook, Instagram, a maioria das pessoas é amigo de um amigo. Se interessou por alguém? Use a maravilhosa era das redes sociais a seu favor, e vá pesquisar sobre essa pessoa, e se ela parece mesmo interessante, puxe conversa com ela sobre algum assunto, vá aos lugares que ela está indo, dê um jeito de conversar com ela ao vivo e veja se rola.

5 – Friozinho na barriga de ter que conversar com a moça? É normal, mas vai rolar bem mais fácil se você partir do princípio de que ela é uma pessoa legal, que vocês podem conversar numa boa. Pela pesquisa do que ela expõe nas redes sociais, você já terá descoberto algumas coisas, com chances baixas de dar fora. Por exemplo, eu sou abertamente feminista, a favor do direito de abortar, a favor de que as mulheres possam se vestir como quiserem, reclamo dos homens que dizem que feminismo é frescura e não se importam com os assassinatos e estupros no Brasil. Pelo meu Facebook também dá pra ver que sou birdwatcher. Esses são campos seguros e favoráveis, começar a conversa por temas que a pessoa demonstrou serem importantes pra ela, a ponto de colocar no Facebook.

Mas se você não souber o que ela pensa sobre aborto, por exemplo, não entre nesse campo, evite assuntos polêmicos nos primeiros encontros – quer dizer, essa é a abordagem mais segura. Como já escrevi, confesso que nem sempre eu fazia isso, em geral preferia jogar o cara na parede pra ver do que ele era feito.

Faça perguntas sobre os assuntos de que ela gosta, faça comentários inteligentes, interessantes, divertidos, tente ouvir mais do que falar, e esse já é um bom começo. Se tiver rolado o mínimo de química, ela vai querer te encontrar de novo.

6 – Aproximar-se de alguém é fácil, juro. Uma dança feita de pequenos passos, em que basta checar o tempo todo as reações do outro. Se ela estiver interessada, você vai avançando, tanto nos temas quanto na proximidade física. Se a conversa estiver boa e vocês estão próximos, você experimenta tocar na mão da pessoa, no ombro, ou encostar sua cabeça na cabeça dela por um segundo enquanto vocês estiverem rindo de algo, e veja a reação. Se ela gostou, vocês continuam a aproximação, pode tocar o joelho e ver o que acontece. Se ela ficou tensa, se parou de sorrir, ficou séria, você recua, não toca mais, mantenha distância, seja um ator e continue papeando sem demonstrar que você ficou abalado porque ela não correspondeu. No mínimo você pode ter uma colega ou até uma amiga.

Tem os outros assuntos do email, mas vou ter que sair agora, respondo depois. E se quiser, pergunte mais sobre qualquer coisa, inclusive sobre o que as mulheres pensam, dúvidas sobre como agir. Sei que não sou uma representante bem típica, mas algumas coisas talvez eu possa ajudar, e pra mim é um prazer escrever sobre coisas que podem ser um incentivo pras pessoas agirem mais, ousarem mais, se divertirem mais.

— eu escrevo melhor sobre isso depois, mas outra dica que ajuda é sempre pensar “só se vive uma vez”, e vai. Tente manter na cabeça que é bobagem ficar se preocupando com o que os outros vão pensar ou falar de você, que só você sabe da sua vida, que você tem que se arriscar, que você não quer deixar o tempo passar e ficar se arrependendo que não fez. Assista a filmes inspiradores, leia livros que têm personagens extraordinários, gente que te inspira a agir e não ter medo. Agora preciso ir mesmo.

Abraços!

Continuação: http://claudiakomesu.club/timidez-parte-2-como-dar-adeus/