Ideias para aumentar seu poder e controle sobre sua vida

Só temos uma vida. Mesmo que os espiritualistas e outras religiões que acreditam em reencarnação estejam certos, não podemos ficar contando com uma outra chance pra resolver as coisas. Esta é a nossa vida e deveríamos vivê-la bem.

Você é quem está no controle da sua vida. Pais, família, traumas, coisas ruins que as pessoas te falaram ou te fizeram e deixaram cicatrizes… tudo isso ficou pra trás. É você no comando, você decide pra onde ir, o que quer fazer. Claro que um bom analista ajuda muito a se livrar de traumas e tranqueiras diversas, e aqui nem vou discutir questões do inconsciente – não tenho conhecimento pra isso, só quero dizer que sei que tem coisas que são foda e inexplicáveis. Mas há uma outra parcela que você tem o poder. O poder de plantar a ideia certa dentro de você, de no mínimo buscar ajuda se descobrir que sozinha você não consegue.

Quais são as ideias contras as quais você deve lutar? O que lhe limita, restringe, o que te enfia dentro de um quadradinho. Somos muito maiores do que um modelo pronto, e uma enorme parcela do que a sociedade considera bom, desejável e respeitável são expressões do machismo e da religião tentando controlar a vida de todo mundo.

Uma das maiores forças que tenta amarrar a vida das pessoas, principalmente das mulheres, são as questões relacionadas com prazer e sexualidade. Todo aquele papinho sobre quais eram as meninas pra sair x meninas pra casar. Virgindade. Vagabundas. Quem faz isso ou aquilo. Se fulana beijou mais de um naquela noite. De não poder demorar pra casar. A necessidade de ter filhos. Veja como tantas coisas aceitáveis e até desejáveis pro comportamento de um homem são consideradas abomináveis pra uma mulher. O jovem que transa é garanhão, campeão, invejável. A mulher que transa é a vagabunda. Se um homem transa com duas mulheres, ele é o máximo. Se a mulher transar com dois caras, ela é vadia.

Uma ideia que eu adoraria ver crescer em muita gente: prazer sexual não é algo sujo, não é pecado, não precisa ficar restrito só pro casamento. Antes de se comprometer com alguém as pessoas deveriam ter experiências diversas. Conhecer, namorar, transar, brigar, reconciliar, terminar. Todas as interações com outros seres humanos, especialmente as intensas, oferecem grandes oportunidades. É claro que existem pessoas que não enxergam isso, que apenas usam os outros. Mas se você tem um mínimo de caráter, a cada novo relacionamento você se torna uma pessoa mais capacitada pra interagir com outras pessoas em diversas esferas. E se você encontrar alguém com quem queira passar muito tempo, que ache até que é pra vida toda, você pode sossegar e aproveitar essa vida de casal sem ficar pensando no que perdeu, no que não viveu.

Nas relações entre adultos, prazer sexual pra ambas as partes, ou pra todo mundo, deveria fazer parte do pacote sempre.

Ter vida sexual ativa, buscar parceiros e prazer, não faz da mulher uma vagabunda. (Esse item ganhou um post exclusivo).

Somente homens idiotas, moralista, franguinhos medrosos, desprezarão uma mulher que demonstra ter experiência e conhecimento nos assuntos relacionados a sexo.

Não estou dizendo que as que não têm experiência são erradas, e sim que é burrice sem tamanho achar que uma mulher é desprezível por ser experiente.

Se um cara te descartar porque você é rodada, intensa, franca, não fique triste. Não é esse tipo de gente com quem você quer se relacionar.

Se um cara te descartar porque você é tímida e inexperiente, não fique triste. Você não quer se relacionar com gente que acha que todo mundo nasceu sabendo, ou que sua função é dar o máximo de prazer. As pessoas deviam ficar umas com as outras porque gostaram do outro, sentem atração física, emocional, querem se conhecer melhor, ter prazer juntas.

No geral, o mundo é um lugar de miséria sexual, miséria emocional. A maioria das culturas reprime prazer sexual, rebaixa a mulher, tenta controlar e inibir a busca por prazer. Uma mulher que consegue se libertar das ideias de que prazer é pecaminoso ganha um grande poder sobre sua própria vida e sobre seus relacionamentos.

Nunca tire da cabeça que não é não. Ninguém pode te forçar a fazer sexo.

Sei de historias em que a mulher não queria, mas acaba cedendo. Seja pra continuar tendo determinado padrão de vida, ou pra continuar tendo uma companhia com quem passear e passar os fins de semana, pra não se sentir sozinha, titia, fracassada. Não desprezo mulheres que fazem isso, desde que esteja claro que foi uma escolha. Se o homem não foi violento ou vil, é uma escolha sua fazer sexo mesmo que não esteja com muita vontade, ou então terminar o namoro. Estou pensando só no nosso pedacinho cultural em que as mulheres têm um relativo poder e liberdade, não estou falando do nível de tribos.

Tente enfiar na sua cabeça a ideia de que não tem nada de errado com você, pelo contrário: você precisa saber de cabeça suas qualidades, vantagens – e defeitos, mas tendo em mente que todo mundo tem qualidades e defeitos. Junte gostar de você, saber que você é uma pessoa legal, com se cuidar, se conhecer, o “não gostou de mim não serve pra mim”, e adeus timidez, adeus medo da rejeição.

Uma dica de como conseguir perder as pregas, quero dizer, perder a timidez. Faça algo que parece ser difícil, processe, e consiga rir disso. Quando eu tinha 15 ou 16 anos chamei na minha casa o menino por quem eu era apaixonada, e eu sabia que ele não gostava de mim, mas fiz ele sentar lá, me ouvir, e falei “eu sei que você não gosta de mim, que você gosta da fulana… mas eu preciso ouvir isso de você, pra parar de ficar pegando qualquer pedaço de coisa que você fala e achar que é um sinal de que pode dar certo entre a gente”. Nunca vi ninguém mudar tanto de cor. Um fofo. Ele segurou minha mão, me abraçou, beijou minha testa. A partir daí fui cultivando minha franqueza e hoje não tem nada que eu me sinta incapaz de falar. Inclui DRs terríveis, demissões, gente em crise, notícias sobre mortes, assuntos cabeludos de família, assuntos difíceis com amigos, pedir ajuda a estranhos, falar com policiais ou com qualquer autoridade.

Quando eu era solteira, fiz coisas como me interessar por um cara que fazia uma aula comigo, só conhecer de falar oi, mas então decidi abordá-lo e pedir o e-mail. Isso quase 20 anos atrás, quando a ideia de sair com alguém que não era um amigo de um amigo era bem mais incomum. (O fato desse rapaz na verdade ser um gay não desmunhecado e que depois acabou virando um grande amigo é só detalhe). Meu namorado foi um amigo de um amigo: vi uma foto, pedi pro meu amigo me apresentar, e então rolou. Tive casos com gente que frequentava minha república, com gente que conheci em chat do uol.

Nem tudo era fácil, não sou totalmente cara de pau. Mas quando ficava insegura, me apegava ao mantra “só se vive uma vez, só se vive uma vez”, e pronto. Além de partir do princípio de que eu era uma mulher interessante e com várias qualidades, e daí se eu não era uma figura de anúncio.

Não deveríamos ter medo de usar nossos atributos físicos e charme pra atrair o interesse de alguém. E não deveríamos fazer parte do coro de quem critica as mulheres que usam seus atributos. Entenda que nada disso entra em contradição com ser honrada. Você pode ser bonita e gostosa, mas não aceitar uma promoção, um favorecimento ou algum tipo de abuso que tem como base apenas sua aparência, em vez da sua competência. Você pode ser bonita e gostosa mas não dar bola pra homens comprometidos. Você pode ser bonita e gostosa e mostrar que qualquer mulher bonita e gostosa também pode ser inteligente, culta, bondosa, capaz de lutar por justiça, igualdade, natureza, causas sociais. Ou o fato de você ser inteligente e genial não exige que você abra a mão de ser bonita e sexy.

Ninguém precisa se encaixar em estereótipos. Não existe beleza x inteligência, honrada x baladeira. As pessoas podem ser o que elas quiserem.

Um grande FOOODA-SE pra o que os outros pensam ou vão falar. A vida é sua, é você que sabe onde dói, o que é bom. Saiba quais são seus valores, o que é importante pra você, e siga seu caminho, não importa se os outros vão critica, rir, falar mal.

Conhecer o grande amor e viver a vida toda com ele é só um dos caminhos possíveis. Não ser casada não é uma expressão de fracasso. Mulheres solteiras têm outros tipos de diversão e prazeres.

Todas as pessoas deveriam poder se sentir bonitas respeitando etnia e tipo físico. Ninguém deveria se ver obrigado a seguir os padrões de beleza impostos pela mídia.

Um dos maiores erros das pessoas no início de um relacionamento, e já vi homens e mulheres fazendo isso, é carência e ansiedade. Algo que assusta e faz terminar muitas historias antes mesmo de começarem. É errado despejar sobre a pessoa todos os seus sonhos e desejos, é peso demais pra qualquer um, ainda mais alguém que você acabou de conhecer. Segura a onda. Use analista ou amigos pra poder conversar sobre essas coisas, mas não dê o passo errado. Mantenha-se atenta ao ritmo do outro, às respostas do outro, não sufoque. Não acho errado a mulher tomar a iniciativa pra um primeiro encontro ou pra ter relações sexuais. Mas a partir daí você precisa ver se tem reciprocidade dos interesses. Não desperdice seu tempo com quem não te dá valor.

Confronte fantasia e realidade. Não passe semanas ou meses sonhando com um cara: vá conhecê-lo, interaja, descubra se vocês têm a ver, se é possível rolar algo entre vocês. Está rolando um flerte, mas nada de ir pro próximo passo? Confronte. Descubra se o cara ou a garota está apenas brincando, gostando da sensação de se sentir paquerado, desejado. Infelizmente muitas pessoas têm disso. Não estou dizendo que homens e mulheres não podem ser amigos, claro que podem. Mas é preciso que os dois lados estejam com as mesmas expectativas do que é aquele tempo juntos. É desonesto, errado, desonroso, alimentar as esperanças de alguém por quem você realmente não se sente atraída. Tem certeza que não rola, não teve química, não quer nem dar uma chance? Então pare de empatar a vida do rapaz, dê a chance dele conhecer uma outra pessoa. Você também pode interpretar a ausência do segundo passo como a resposta de que a pessoa realmente não quer nada com você. Se o que você quer é um caso, não só um amigo, seja inteligente e pare de desperdiçar seu tempo.

Seu namorado ou marido é seu parceiro, não é seu filho ou seu dono. Muitos homens crescem mimados pela mãe, e quando passam a se relacionar com uma mulher esperam o mesmo tipo de tratamento servil. A não ser que você realmente goste de ser a serviçal o tempo todo (nada contra você servir se ele também te servir), você precisa colocar os limites, explicar as coisas, de preferência logo no começo.

Entenda seus pais, perdoe seus pais. E entenda que uma vez saído do ninho, saiu, agora a vida é sua. Se seus pais forem do tipo controlador, vá cortando isso, principalmente as chantagens emocionais. Trate-os como adultos, aja como adulto, seja capaz de manter boas relações mas seja firme naquilo que for importante pra você. Não deixe que as ações e palavras dos seus pais ocupem um espaço na sua vida que eles não têm mais direito de ter.

Antes só do que mal acompanhado. Busque a companhia de pessoas que são amigos de verdade. De gente que se importa com seu bem estar e quer te ver feliz. Não tem nada que compense a companhia de gente invejosa, maliciosa, que se diverte em lhe ver em apuros, saias-justas, situações difíceis ou tensas, de gente que fala mal de você pelas costas, que espalha histórias, invade sua privacidade.

As pessoas e os problemas têm o tamanho que a gente permita que tenham. Qualquer perregue é tanto maior quanto mais a gente fica girando em torno dele. Se tiver que resolver, resolva, se tiver que xingar, xingue, se tiver que romper, rompa. Mas não fique só reclamando e remoendo, isso é desperdiçar muito tempo e energia com coisas totalmente inúteis.