Ideias boas: chantagens a 30 segundos da bomba explodir

Num Black List o Aaron está dando instruções por telefone pra Navabi e pro Ressler sobre como desarmar uma bomba que vai explodir em 2 minutos.

Falta a indicação do último fio, se é pra cortar o azul ou o verde, e eles têm algo como uns 30 segundos. Mas ele diz que não vai falar qual fio é enquanto o Ressler não se desculpar com a Navabi, por ter xingado-a. Por ter usado a palavra com P. “Não usei!”, “Usou sim, me chamou de puta”.

Uma breve e rápida discussão, por fim o Ressler diz “desculpe”, e o Aaron conta qual fio é pra cortar. E ainda sobram 9 segundos!

A Navabi sorri e diz “desculpas aceitas”.

— x

que ideia boa. Como eu queria poder fazer isso com um povo que já me ofendeu muito, e já ofendeu muito pessoas de quem eu gosto.

Infelizmente não me imagino em nenhuma situação dramática assim, mas vou guardar como referência. E no mínimo posso sonhar com isso.

“Peça desculpas pra … por ter falado que ela era uma canalha aproveitadora e que o trabalho dela só visa lucro próprio”

“Peça desculpas pra mim por ter caluniado o meu trabalho, por ter espalhado um monte de fantasias da sua cabeça e por nem ter sido homem de responder quando eu perguntei em público, várias vezes, de onde você tirou aquelas ideias”

“Peça desculpas por ter passado tanto tempo fazendo campanha contra algo que vai melhorar a relação dos parques com as pessoas, e portanto ajudar a salvar a natureza brasileira, só porque tem risco de prejudicar suas mordomias pessoais. Peça desculpas por ter apelado pra tudo quanto é argumento ou estratégia, até as que você não devia”

“Peça desculpas por ser uma pessoa capaz de dizer que as pessoas que relataram terem sido proibidas de fotografar no seu parque são mentirosas. Peça desculpas por ser capaz de dizer que os desaforos pelos quais eu passei, e meus colegas passaram nunca existiram”

— x —

Acho que nuca vai acontecer. Mas eu posso sonhar. Quem um dia terei algo em mãos que pode obrigar as pessoas a se desculparem pelas coisas desonradas que elas já fizeram.

— x —

Saki tem uma história melhor ainda. Um vizinho que faz o gato das crianças da casa ao lado ser sacrificado, sob a alegação de que ele teria matado (nem lembro o quê, mas era algo importante e caro), e uns dias depois ele descobre que não foi o gato.

As crianças também descobrem, e conseguem armar todo um plano que culmina com o homem tendo que passar a noite em vigília, segurando uma vela, com um lençol como capa, ao lado da sepultura do gatinho, gemendo e se lamentando pela morte do bicho.

Um pedido de desculpas sob uma situação tensa-explosiva é divertido, mas horas de humilhação inconsequente (algo que não vai realmente foder a vida da pessoa, que serve só pra aplacar a sua dor) é melhor ainda.

Adoraria ver essas pessoas tendo que escrever textos públicos, ou em algum evento público ter que ir ao palco e se desculparem pelos atos de desonra.

Essa é uma outra ideia boa pra sonhar.