I am a naturalist – em love com o Inaturalist.org

inaturalist

Parece que chegou o fim da minha crise existencial. No final de 2008 me reconheci como birdwatcher. No início de 2010 comecei a me perguntar se era mesmo, e só passei os últimos 6 anos num sô-não-sô.

Rótulos limitam mas também podem dar uma sensação boa de pertencer a algo. Espero que dure muito tempo, mas pelo menos por enquanto, posso falar com o coração  brilhando “Sou uma naturalista”.

Claro, com uma leve queda pelas aves. Mas sempre gostei de olhar pra tudo, especialmente flores e insetos.

O birdwatching é uma atividade competitiva. Nasceu competitivo, seu principal combustível é esse desejo imenso de aumentar sua Life List.

Passei um ano passarinhando assim. Fiz algumas viagens ainda na inércia desse movimento nos dois anos seguintes, e no final de 2011 tinha 670 espécies de aves brasileiras registradas, mas desde 2010 já começava a me sentir meio besta. (Por favor, não estou dizendo que quem faz isso é besta, e sim que eu, comigo, começava a me perguntar se era isso mesmo que eu queria fazer).

E agora encontrei uma rede social de sonhos. Nascida na Califórnia. um dos três fundadores é alguém que fala abertamente que não curte o espírito competitivo, e isso transparece na estrutura do Inaturalist.org.

O Wikiaves tem ranking de quem tem mais espécies, pontuação nas fotos, na home a área de destaque é pras fotos mais votadas. As fotos aparecem em tamanho grande e se a pessoa tiver subido um arquivo de 1.200 pixels, vai aparecer o link “ver foto em tamanho grande”.

A homepage do Inaturalist são umas imagens bonitas e explicações gerais de como funciona, quando você ainda não é cadastrado. Depois que você se cadastra, a home passa a ser o seu dashboard, com os seus registros e os das pessoas que você está seguindo. O único ranking que achei fácil é o de quem ajuda mais o site fazendo identificações das imagens. E um ranking de quem subiu mais registros no mês. Veja, não é sua life list, é o quanto você tem contribuído pro site subindo fotos de tudo que você tem observado na natureza.

Qualquer um pode ser um curador e passar a montar painéis sobre temas diversos, e você pode seguir aquele painel. As primeiras fotos que subi, de repente aparece um aviso que os curadores dos grupos tais e tais tinham selecionado minhas fotos pra fazerem parte do painel. Essa é uma ideia muito boa, faz tempo que eu pensava como seria bom se tivesse no Wikiaves, não sabia que já existia e era muito bem aplicada.

Você sobe uma foto, se ela tiver o exif e você colocar uma localização plausível ela ganha o status de “Need id”. Se outra pessoa do site validar sua foto, ou identificar seu registro, ele ganha o status de “Research Grade” e seu registro passa a fazer parte de uma base de dados que é usada por pesquisadores, e também compartilhada com o GBIF, o Sistema Global de Informação sobre a Biodiversidade.

Quando você clica na foto aparece uma imagem de 350 pixels e se clicar na lupa verá em 500 pixels, esse é o tamanho máximo. O site incentiva a você usar o celular para subir registros (plantas, insetos, moluscos podem ser fotografados com um celular). A escolha de não ter opção pra mostrar imagens grandes facilita a manutenção da base de dados, que não vai sofrer com arquivos pesados, e também diz que seu equipamento não importa, que você não precisa ter super-câmeras e super-lentes pra participar. Em 350 ou 500 pixels, a maioria das fotos vai aparecer no mínimo razoável.

Quando você se cadastra, eles sugerem que você deixe suas fotos com a licença de creative commons que permite o uso para fins pessoais e acadêmicos, mas não os comerciais. Mas você pode mudar isso se quiser, com facilidade, inclusive pra colocar o “all rights reserved”, ou seja, ninguém pode usar sua foto pra nada antes de falar com você.

Falei dos painéis? Digitar o nome de um lugar e ver em images a riqueza biológica? A chance de descobrir o nome de plantas, pelo menos o gênero ou família de alguns insetos. Todo mundo educado, polido. Aparentemente sem aquela coisa que eu acho horrível de spam de elogios, de ficar elogiando os outros pra você ser elogiado e votado. Uma sensação de que estamos todos lá só porque gostamos da natureza, não porque precisamos de massagem pro ego.

O Wikiaves é um site fabuloso que mudou a história da ornitologia e portanto da natureza no Brasil. Ele tem um valor incomensurável e tem muitas pessoas boas lá. Mas as escolhas por incentivar a competitividade, o apreço pelas tais fotos com penas super-definidas e portanto a valorização de câmeras mais caras, life lists grandes, a loucura pela pontuação, spam de elogios e tráfico de elogios… essas coisas mataram o prazer que eu tinha de frequentar o site. Eles não estão errados no que fazem, muita gente adora, e sei que a competitividade é boa pra alimentar o site. Só não me identifico com isso.

— quem tiver mais interesse no assunto, a entrevista com o Ken-ichi Ueda é bem legal. https://www.reddit.com/r/askscience/comments/50mt9d/askscience_ama_series_i_am_the_cofounder_of/

Selecionei alguns trechos. Melhor do que isso: inscreva-se no Inaturalist e passe a subir fotos, mesmo que você só tenha o celular, tem muita coisa pra se compartilhar e aprender.

[–]Deathowler 3 pontos

Do you think that this has to do with the fact that the website received attention from a dedicated fanbase and therefore unlikely to be trolled?

[–]kmuedaiNaturalist AMA 8 pontos

Could be. Could also be that, well, if you’re not into nature or aren’t interested in becoming interested in nature, it’s kind of boring. It’s also not a metropolis of a website like Reddit or Twitter where you could discuss anything with anybody. It’s more like a campus or research station where everyone is busily doing similar things in the same spirit, so if that’s not what you’re doing, a) it feels kind of weird, and b) we’ll probably just shut you down b/c iNat isn’t about what you had for lunch or what you think about the current election.

I’d also like to believe that naturalists are pretty good people, on the whole. While there are strands of competitiveness (coughbirderscough) and intransigence (coughtaxonomistscough) in natural history, almost every naturalist I’ve ever met has been pretty nice and decent, and even if they’re not, you can still have a civilized conversation about nature.

(…)

[–]kmuedaiNaturalist AMA 33 pontos

Ah, Pokemon. We do have plans to add some more structured activities to the app in the next year. Pokemon and iNat have some superficial similarities, I’ll admit, but personally, part of what I find so appealing about natural history is the lack of structure, stats, competition, etc. Different people have different ways of appreciating and exploring nature, though, so we’ll see if iNat can accommodate a more game-oriented mindset.