Em 2015, esqueça tudo o que você sabia sobre restaurantes

Umas semanas atrás passei mais de 3 horas juntando informações e fotos pra finalmente publicar o tal post com lista de restaurantes favoritos.

Éramos o tipo de gente que comia fora 3, 4 vezes por semana, mas faz um tempo que tentamos moralizar a situação e, neste ano, com a ajuda de um freezer e um lava-louças temos conseguido.

Ontem fomos a um lugar que era considerado um bastião, um dos poucos que eu falava sem medo “é ótimo, todas as vezes que fomos lá comemos bem”. Mas mudou! O Arturito não é mais o mesmo. Tiraram meu nhoque de mussarela de búfala. Mudaram o esquema das ostras, agora a porção pequena vem t r ê s ostras, não mais temperadas com aquele capricho que incluía ovas de peixe voador. A primeira porção de pão de couvert estava murcha, talvez do dia anterior. A segunda estava boa como sempre. Ficamos olhando, olhando, olhando o cardápio, e por fim optamos pela linguiça artesanal com lentilhas vermelhas. No passado as linguiças deles eram ótimas. Dessa vez, uma decepção geral. Linguiças pálidas, meio mal passadas, com gordura demais e sabor de menos.

Tomamos um Pinot Blanc da Alsácia, bom, mas meio overpriced a R$ 134. E até chegamos a olhar o cardápio de sobremesas, mas nada inspirou… se não me engano, eram eles que tinha uma cocada de tabuleiro muito boa, com sorvete de nata. Não mais.

Outro restaurante que era ótimo: o Lá da Venda, que eu também recomendava sem medo. Fomos lá na semana passada e estava tudo ruim. Bolinhos encharcados de óleo e sem graça, a moquequinha de rio com pouco sabor e o leite de coco meio rançoso até… o prato ficou pela metade, mas os garçons não perguntam qual o problema, eles devem saber. De onde eu estava, tinha vista pra cozinha, e via o pessoal regando as comidas com embalagens grandes de molho inglês Jimmy, embalagem tetra pak de molho de tomate Quero.

O Forquilha não era extraordinário, mas era bem razoável. Fomos lá duas semanas atrás e estava tudo ruim.

Não tenho dúvidas, e não preciso de amonstragens grandes: é a crise inexistente, minha gente. A tal crise que a presidenta quer que acreditemos que nem é tão grande assim, fodendo empregos, empresas e até meus restaurantes favoritos.

Meu post sobre os restaurantes não faz mais sentido. Agora é tentar falar de cada um sempre que for, e sabendo que as referências do passado ficaram no passado. Em 2015, cada um vai ter que mostrar como está se virando.

E tentarei me organizar para postar receitas favoritas. Comer em casa é sempre garantido.