Dicas para acabar com a timidez

Primeiro é preciso deixar claro: ser quieto ou introvertido não é o mesmo que ser tímido. Quando alguém tenta te falar que não tem nada de errado em ser tímido, ele está confundindo conceitos, ele quer dizer que tudo bem ser quieto ou introvertido. Mas a meu ver, a timidez é realmente um problema porque ela não é o seu jeito de ser, ela é um trambolho que te impede de fazer coisas com medo de ser julgado ou de mandar mal.

É bem diferente fazer algo porque você não quer (não estou falando porque não quero. me sinto tranquilo e feliz), e não fazer porque você tem medo (não estou falando porque me sinto ansioso e com medo de falar bobagem, de ser ignorado, ou que riam de mim).

 

Por exemplo, alguém do Quora perguntou “Qual a diferença entre ser tímido, antissocial e introvertido”, e considero essa a melhor resposta:

“Barry McGuinness, Psychologist – Answered Sep 22

Shyness is a difficulty with entering into social encounters due to debilitating anxiety, self-consciousness and uncertainty. Having to communicate evokes a fear of others’ perceptions and reactions.

Antisocial refers to a behaviour pattern that is characterised by an uncommon lack of care or concern for the wellbeing of others. People who are antisocial deliberately do things to upset others.

An introvert is someone who is temperamentally suited to solitary activities as they find social interactions to be over-stimulating and, after a short while, draining.

Introversion has nothing to do with being antisocial. Many introverts are sensitive types who simply get overwhelmed too easily by loud group situations. Introverts are not antisocial; they are just not very sociable because it doesn’t suit their temperament.

Shyness also has nothing to do with being antisocial. Most shy people are sensitive and pro-social but suffer from a degree of social anxiety, and therefore avoid having to express themselves to others.

And finally, introverts are not necessarily shy — one can be a socially confident introvert. At the same time, not all shy people are introverts. Even an extravert can develop social anxiety after some particularly negative (humiliating) experiences.”

https://www.quora.com/Whats-the-difference-between-shy-antisocial-and-introvert

 

Tenho trocado emails com um dos leitores queridos, que além de ser misantropo (introvertido), é tímido. Resolvi pesquisar mais no Quora, porque imaginei que haveria dicas práticas de como as pessoas conseguiram superar a timidez. No meu caso, o que registrei na minha memória é que acabei com a minha timidez fazendo algo bem gafento e difícil (ter 15 anos, ser tímida, e chamar na sua casa o garoto por quem você é apaixonada pra contar pra ele que você é apaixonada por ele, sabe que ele não gosta de você, mas quer ouvir isso dele). Depois disso, senti que podia fazer qualquer coisa. Também acho que minhas aulas de teatro no primeiro grau ajudaram.

Esse amigo misantropo não se deu bem com as aulas de teatro, e não sei se ele está a fim de tentar a técnica do evento chocante. Então fui tentar achar dicas de outras pessoas sobre como elas lidaram.

Ele concordou com minha sugestão de que deve tentar falar com estranhos. Li vários posts de pessoas contando que isso ajuda bastante. Apesar do detalhe religioso que não curto tanto, achei que esse cara, Bevan, dá várias dicas legais, por isso colei a resposta inteira dele mais abaixo.

Mas em resumo é: manter o costume de olhar ao redor. Fazer contato visual com as pessoas. Sorrir. Falar bom dia. Olhar nos olhos da pessoa e sustentar o olhar. Ele fala pra escolher qualquer um. Faça no ambiente de trabalho ou na escola, gente que você vê todos os dias mas que não tem contato e gostaria de ter. E também descobri que o certo é fazer isso com todo mundo que você interage: caixa de loja, funcionários de guichês, motoristas. Falar a rodo, em bom tom, tanto bom dia quanto obrigados. Isso eu aprendi em… 2005, a primeira vez que fui pra Paris e entreguei minha entrada do Louvre sem olhar pra cara da pessoa, e ganhei um “Bounjour madame” num tom de voz que me deixou morrendo de vergonha. Não era por ser arrogante, eu era só caipira mesmo. Se você chega num lugar e fala “Bom dia”, “Boa tarde”, num tom de voz normal, audível, a maioria das pessoas responde. Você vê isso acontecendo. Fale e olhe pras pessoas, e se gosta de alguém, olhe e sorria.

Bevan também diz que o “faça de qualquer forma” sempre o ajudou. Pra mim também. Não é que eu seja a rainha da cocada, é verdade que evito algumas situações, não gosto da ideia de entrevista ao vivo e apresentações. Mas faço se for preciso e não é motivo de sofrimento. Eu tinha um mantra “só se vive uma vez”, e repetia pra mim quando precisava tomar coragem pra fazer algo (como levantar do meu lugar, ir até a fileira de computadores da frente e pedir o email do moço mais lindo, culto e articulado de uma das matérias optativas que eu estava fazendo – isso 20 anos atrás, quando a internet tinha começado, e interações entre desconhecidos em geral eram sob anonimato de um nickname).

Em outros posts, as pessoas falam que puxar conversa com estranhos (só pela prática), ou com alguém que você quer tentar conhecer melhor, inclui a tática de fazer perguntas mesmo que você saiba a resposta. Como pedir orientações de como chegar a um local, informação sobre alguma coisa, opinião da pessoa se aquele produto é bom, perguntar sobre o livro que ela está lendo. A história que eu conto do restaurante de São Francisco, provavelmente foi algo assim. O cara queria papear com a gente e falou que era a primeira vez dele no restaurante e que ele não sabia o que pedir.

Um outro post diz que as pessoas adoram falar sobre elas, e adoram ser elogiadas. E, claro, sempre tem que ser num contexto que não deixe a pessoa com medo ou desconfiada. Qualquer aproximação a pessoa tem que estar à vontade para dizer não, para não se interessar.

Por exemplo, uma das perguntas do Quora era como convidar uma garçonete pra sair. E um dos caras falou “é fácil, basta fazer de uma forma que seja muito fácil ela falar não”, e contou que ele fez isso uma vez. Pediu papel e caneta, e na hora de ir embora deixou junto com a conta um papel com o telefone dele, no topo da folha estava escrito “faça o que quiser com isso”, mais o telefone dele, e mais um desenhinho de bonecos de palitinho explicando “nós no nosso primeiro encontro”, e depois ele mostra as trocas de mensagem entre os dois, ela dizendo “não costumo entrar em contato com os caras que me deixam o telefone, mas achei seu bilhete fofo, e gostei de você”. Ele recomenda deixar o bilhete, não ser só o número e sim mais alguma coisa que te diferencie e seja simpática, pra não dar gorjeta de forma exagerada, só um pouco a mais do que o normal, e pra não esperar muito. Achei esse um ótimo exemplo pra ser aplicado em qualquer abordagem: faça de um jeito leve, que seja fácil do outro recusar, tente se diferenciar, despertar interesse, e não fique abalado se não rolar.

Dê uma olhada na pesquisa do Google sobre “body language confidence”, tem muitas imagens bobas mas dá pra ter uma ideia geral. Esse é outro ponto que ajuda a se livrar da timidez. É comum as pessoas tímidas assumirem uma linguagem corporal de ocupar o menor espaço possível, e fazerem de tudo para não serem notadas. Mude isso. Use roupas pra ser visto/vista, ocupe espaço (sem ser abusivo com os outros). Já reparou como as pessoas populares, solares, não tímidas, não têm nenhum receio de se movimentarem, sentarem, se posicionarem, de um jeito que todo mundo olha pra elas? Não estou falando dos palhaços que querem chamar atenção, que fazem coisas exageradas, mas sim de pessoas que não têm medo que olhem pra elas. Mesmo a questão da palhaçada, lembro dos meus amigos adolescentes que a gente saía em grupos, e não tinham medo de fazerem coisas ridículas em lugares públicos, e se alguém olhasse muito, eles acenavam e sorriam. Ou pais e mães que não têm receio de brincar com os filhos na frente dos outros (não quero dizer falar em bebenês, pra mim isso não é questão de não ter vergonha, mas só de ultraje à dignidade). Mas acho que deu pra entender o cerne: parar de ficar pensando o tempo todo que você está sendo julgado e recebendo notas baixas.

Outro comentário que achei bem legal foi de uma moça contando como lidou com a timidez, se obrigando a dar bom dia pras pessoas, e que algo que a ajudou foi o comentário de um amigo: “não quero parecer rude, mas acho que você está errada na sua avaliação do quanto as pessoas prestam atenção em você ou julgam você. As pessoas não estão nem aí pra nada ou pra ninguém, cada um vive sua vida” — ok,  ela parecia ser de algum lugar da língua inglesa – Inglaterra ou EUA, em que em geral isso é verdade nas cidades grandes, e sei que nas cidades pequenas, ou mesmo nas grandes em lugares com mentalidade pequena, não é bem assim. Mas esses são os momentos pra ligar o foda-se. É a sua vida.  Se querem ficar fazendo fofoca e dando risadinhas de qualquer coisa que pra eles soe como atrapalhada, isso é problema deles, não seu. Eles estão desperdiçando o tempo dele com coisas pequenas. Você tem mais o que fazer.

 

Olhar em volta. Reparar nas pessoas. Contato visual. Sorrir. Olhar nos olhos. Não ter receio de falar com estranhos, fazer perguntas mesmo que você saiba a resposta, fazer elogios se for num contexto que não assusta ou cria desconfiança.

 

https://www.quora.com/How-do-you-become-confident-if-you-are-a-very-shy-person

“Bevan Audstone, Author of a new age – self help book “Three Steps to Enlightenment” http://www.bibliotastic.com/ebooks/phil…

Updated Jun 9, 2013

Originally Answered: How do you become less shy?

1) I have become through practice, training and determination – to be a very confident man.  That is my answer for you.

Practice talking in meetings or at the grocery store or in line at the bank.  Just small things. Some work some don’t.  No miracle moment – just steadily moving to where you are able to talk to people.

1a) Try.  Small Things.  Pick a person.  Say good morning.  Let it go.  Try a new person the next day.

1b)  Find out about them.  Not to be weird or stalky – but so you can have a  conversation opener about them.  “How is your new Elm tree? – actually  works.

1c) Take a course – Dale Carnegie is my favorite though it is expensive – 12 weeks once a week; to learn how to talk in public.  To speak.

Many many other alternative courses and books on your issue.

2) In addition, I found that the ‘do it anyway’ principle for social interaction – gave me a lot of benefits.

2a) Try it.  Believe me for everytime you think everyone else has it together and you’re the only one feelings so shy, I guarantee someone in the room or very close by, feels exactly the same way as you do.

2b) You may find yourself able to talk; to exchange but you STILL feel nervous.  Man oh Man do I get sweaty when I am nervous.  But I’ve learned to keep my tone calm and sound relaxed.

Everybody is insecure.  Everyone is uncertain about social interactions. Many of us learn to push past our red faces and dry mouths and just do it anyway.

3) – ****** Give yourself a break.  Admit your shyness (when in a safe place) and ask for help. Hey I’m quite shy but I do want to talk and learn to be a good conversationalist.  Many many people will gladly be patient and help you.******

You are fine and have as much right to be comfortable and friendly as anyone else.”