Bruxos modernos

Eu já bloguei demais hoje, mas não resisti. Não consigo resistir nem a coincidências (conectar fatos que não têm relação nenhuma, e achar que há algum significado oculto), e também não resisto a tentações 🙂

Acabei de receber um email de uma das minhas amigas mais queridas. Ela mora loooonge, mas sempre que tenho notícias dela me faz sorrir, reforça minha fé na humanidade. É uma das pessoas que mais me traz a sensação de bondade e generosidade. Mais ainda porque ela sofreu muito bullying na vida, bullying pesado. Mas não se tornou uma pessoa amarga, muito pelo contrário. É uma das pessoas mais doces que eu conheço. Minha amiga mais bruxa, que mais me faz pensar no invisível. E sempre me indica livros bons, viciantes: Deborah Harkness, Patrick Rothfuss. Agora ela indicou um outro: The Magicians, que provavelmente também vai me obrigar a ficar lendo até de madrugada, dias seguidos, até terminar.

Logo respondo de forma apropriada pra ela, por enquanto era preciso falar das coincidências inventadas de hoje. O baudasvariedades, que tem o texto minucioso sobre misantropia, é de bruxo. Um blog que existe faz tempo, passou por longos períodos de silêncio, decidiu que sua vocação é falar de magia, e voltou a ter atividade agora em fevereiro de 2016. Respondendo uma pergunta engraçada de se ler fora do contexto, algo a ver com pratos de oferenda.

Antes disso teve um post, sem data, e antes um post de 2013 sobre bruxaria moderna, validando algumas ideias com as quais concordo, mas que nunca tive oportunidade de confirmar. Mas eu acredito, e boto fé no Felipe M.

“Magia não algo inacessível, é prático e muitas vezes mais barato do que se imagina. Para os leigos, quando dizemos Magia prática, especialmente a cotidiana, não quer dizer que fazemos rituais (como de filmes) todos os dias; significa que praticamos a Magia, a Intenção de algo, no dia a dia.

Uma das magias que eu mais amo é a de me olhar no espelho logo ao acordar, ver aquela juba desgrenhada, a cara toda amassada, olhar nos meus olhos e dizer bem alto ‘Como eu sou lindo!’. Tenha certeza que o dia fica muito melhor! O simples fato de se vestir, passar um perfume, dançar e até cantar são magias muito poderosas. Quantas vezes você não estava desanimado e começou a cantar e seu dia pareceu mudar?

Canções, independente de quais sejam (claro que depende se a pessoa gosta), são puramente mágicas por si só. Elas carregam um tom leve, capaz de mudar todo um ambiente e também as pessoas; sempre que estiver cabisbaixo, cante uma canção, coloque uma música para tocar no rádio e veja se seu dia continua no marasmo ou se dá uma engrenada!”

http://baudasvariedades.blogspot.com.br/2013/11/bruxaria-moderna.html

Olhar pra você muda seu rosto, sem depender de maquiagem ou acessórios. Eu já desconfiava disso, e podia atribuir a algo como tensões nos músculo, microexpressões etc, mas agora tem um bruxo dizendo que não é só isso, é magia mesmo.

Magia é intenção. Essa é outra ideia com que flerto faz tempo. Ontem fiz um jantar ótimo depois de blogar (mais ótimo ainda porque é daqueles que se prepara em 15-20 minutos): filé de tilápia com alcaparras, azeitonas e azeite, ao forno, e cuscuz com ervilhas. Ervilhas congeladas da Boundelle, que acertei o ponto como não acontecia faz tempo, delas ficarem meio ploc mas muito macias por dentro. Ainda tínhamos um vinho branco no fundo da geladeira.

Sempre penso que cozinhar com gosto, pras pessoas de que você gosta, é outra atividade cheia de magia. E pensando nisso, dá pra se concluir “tudo é magia?”,  e acho que tudo que você faz pode ser feito com magia. Por mais brega que seja: tudo que é feito com amor fica melhor, porque o amor é uma magia, talvez a mais poderosa. E com certeza também dá pra ferrar muitas coisas fazendo com raiva e má vontade, tanto pelos motivos óbvios de falta de atenção e de capricho, como pelas energias que você impregna.

Deve render mais posts. Mas ainda sobre magia e comida, lembro de um jantar na Cidade do Cabo, 2006, o Olympia Cafe. Que refeição maravilhosa. Como entrada a melhor sopa de tomates com bacon que eu já comi na vida, e que às vezes tento reproduzir, sem sucesso, um atum grelhado com um vinagrete de morangos. A comida era feita ali na sua frente, o cozinheiro era um jovem negro um pouco gordinho com cara de quem amava o que fazia. E quando provamos a comida, me fez pensar em Deuses Americanos, pensei que estava frente a alguma divindade que gostava de cozinhar. Mas talvez fosse só uma pessoa que sabia como aplicar magia.

E o poder da música, com certeza. Que é inegável, mas é mais divertido pensar que também tem a ver com magia.

O site tem como trilha sonora uma música ótima, que parece carregada de poder de te mudar de sintonia. Está intitulada Midnight Margeritas, mas você encontra mais facilmente como Coconut. No Spotify tem uns dois discos com ela. E faz parte da trilha sonora do Practical Magic, aqui no Brasil é Da Magia à Sedução.

Não li muita coisa do blog do Felipe, mas estava pensando em escrever pra ele. Descobrir se ele é de São Paulo, se ele quer tomar chá.  Me conectar mais com os assuntos de magia é um desejo antigo, não muito ativo. Um tempo atrás combinei com meu semideus das frivolidades internéticas de tomar ayahuaska. Mas ainda não fomos. Às vezes aparecem essas vontades de saber mais sobre vida inteligente na bruxaria. Daí hoje topei com esse bruxo (provavelmente) misantropo. E no mesmo dia minha amiga mais conectada com magia me escreve, inclusive pra contar que enquanto lia o post até teve uma visão de eu e a … conversando, sentadas a uma mesa.

E posso conectar outra pequena coincidência: neste fim de semana foi o funeral — e libertação, do meu tio mais exotérico.

Quem sabe 2016 seja um ano com mais magia.