Animais Fantásticos e Onde Habitam

Em qualquer lugar que você vá, ou esteja, pode encontrar animais fantásticos.

Já olhou insetos bem de perto? Ou já observou as aves se movendo e pensou nos dinossauros, ideias como um T. Rex com penas? Lesmas rajadas de negro, vaga-lumes com antenas que parecem cílios de fazer inveja a qualquer dragqueen, besouros com camuflagem quase perfeita ou brilhantes como pequenas joias, aranhas saídas de filmes de terror, mariposas absurdas, a casca translúcida, brilhante e com pintinhas amarelas de um caracol vivo, nada parecida com aquelas coisas sem graça de quando a casca está vazia.

Pelos próximos três meses é a melhor época para observar o fantástico universo dos insetos, aranhas, lesmas e caracóis. Você pode vê-los em qualquer lugar, mas se for pra algum lugar com uma mata, ou mesmo um pequeno quintal, de preferência um não totalmente cultivado, que haja um pouco de espaço para mato crescendo, poderá ver essas criaturas fascinantes.

Nos parques urbanos também verá muitas. Tudo que você precisa fazer é andar sem pressa, olhando tudo com atenção. Dá pra fotografar com celular, ou se você tiver uma compacta, experimente o modo macro, aquele que tem símbolo de florzinha.

Se quiser fazer um passeio, tem um lugar a cerca de 2h de São Paulo, na cidadezinha de Tapiraí, pros lados do Parque Intervales. É uma propriedade particular com dois chalés e três quartos. Um lugar simples (diária de R$ 170 por pessoa com pensão completa), onde você pode dormir fotografando as dezenas de insetos que a luz atrai, e acordar com o canto das aves. A diversão é garantida porque eles mantêm comedouros, então mesmo que você seja novato ou que a mata esteja silenciosa, com certeza conseguirá boas fotos das aves que aparecem ao lado da sede, atraídas pelas bananas. http://www.trilhadostucanos.com.br/

Estive lá durante uns dias na semana passada. Mesmo com chuvisco quase o tempo todo, muita neblina, friozinho (o que afugenta os insetos), aves que não respondiam ao playback, teve muito o que aproveitar.

Lista completa dos bichos e plantas fantásticas que vi em Tapiraí: https://www.inaturalist.org/observations?lat=-24.0089658462&lng=-47.563104633&place_id=any&subview=grid

— x — x

Como é meu blog, posso emendar isso no mesmo post. Enquanto estive fora, Cris foi almoçar com os pais dele, explicou que eu tinha viajado pra fotografar aves, insetos, flores etc. Minha sogra pergunta:

“Mas o que ela tira disso?”

Sei que a maioria das pessoas tem dificuldade para entender atividades que não tenham objetivos concretos e palpáveis. Lembro que meus sogros não gostaram de A Grande Beleza. No fundo não espero que eles entendam coisas que não têm uma meta, que você faz porque gosta de estar lá, no meio do mato, olhando o brilho das folhas molhadas pela chuva ou pelo orvalho, a neblina, se sentindo orgulhosa quando consegue detectar os minúsculos ou os muito camuflados.

Perguntei pro Cris: você respondeu pra ela que eu fico andando no mato que nem uma retardada fotografando coisas invisíveis?

“Expliquei isso. Fora a parte do retardada”.

— x — x

E pra não falar que este post é totalmente enganoso, quero dizer que gostei do Animais Fantásticos e Onde Habitam. Tem uma sensação de comprido, mas é lindo de ver, e os efeitos especiais valeram o preço. A ação se passa em Nova York, e ver os bruxos reconstruindo a cidade, não tem como não pensar no 11 de Setembro (ou no Trump), em como seria bom se tudo pudesse ser consertado usando a varinha mágica.

Ok, quem viu o Eddie Redmayne e não pensou que ele daria um ótimo Kvothe? Eu pensei, e vi que vários fãs do Rothfuss concordam. Ele é mesmo um ótimo ator. Mesmo que faça filmes terríveis daqui pra frente, ganhou mil pontos por A Teoria de Tudo, e algo adorável no Animais Fantásticos é a frequência com que ele está boquiaberto, maravilhado com o que está vendo. Na viagem pro Yosemite o Cris tirou uma foto minha de boca aberta e me explicou que quando eu estou vendo aves essa é a cara que eu faço (a primeira foto da galeria). A natureza e seus animais fantásticos deixam a gente assim.