A beleza do vazio

Emptiness

the state of containing nothing: the vast emptiness of space
sinônimos: void, vacuum, empty space, vacuity, gap, vacancy, hollowness, hole, lack

the quality of lacking meaning or sincerity; meaninglessness.
he realizes the emptiness of his statement

the quality of having no value or purpose; futility.
feelings of emptiness and loneliness

Do tradutor do Google

 

Niilismo: Este conceito teve origem na palavra em latim nihil, que significa “nada”. O seu sentido original foi alcançado graças a Friedrich Heinrich Jacobi e Jean Paul. Este conceito foi abordado mais tarde por Nietzsche, que o descreveu como falta de convicção em que se encontra o ser humano após a desvalorização de qualquer crença. Essa desvalorização acaba por culminar na consciência do absurdo e do nada.

O niilismo representa uma atitude crítica em relação às convenções sociais, e o termo aparece pela primeira vez na obra de Turgeniev “Pais e Filhos”. Nesta obra literária, um personagem afirma: “Um niilista é um homem que não se curva ante qualquer autoridade; nem aceita nenhum princípio sem exame, qualquer que seja o respeito que esse princípio envolva.”

http://www.significados.com.br/niilismo/

 

Logo farei 39 anos. Será diferente no ano que vem, quando fizer 40? Quando eu tinha 14, 15, não via a hora de fazer 18. E era tolinha a ponto de perguntar pros meus amigos com mais de 18 como era fazer 18, o que mudava. E me responderam: “fora poder dirigir e votar (muito tempo atrás, voto aos 18), não muda nada”.

Talvez aos 50 faça alguma diferença. Aquele gráfico da OMS que me impressionou porque mostrava um pico agudo de suicídios das pessoas de 20 anos nos países pobres, também mostrava uma leve ascendência na casa dos 50 anos nos países desenvolvidos.

Não me matei aos 20, apesar de ter considerado o assunto várias vezes. E agora que já vivi quase o dobro?

— x — x

Marco Polo é um seriado ruim, reconheço. Todo mundo é muito tipificado, e não há ninguém realmente interessante. Nem mesmo o fato do Marco ser um bom moço atrai o suficiente. Mas um dos tipificados interessa muito, com certeza não só a mim, porque ele ganhou um especial de meia hora. Hundred Eyes, maravilha tipificada monge taoista.

“As tradições e éticas taoistas variam de acordo com a escola, porém, no geral, enfatizam a serenidade[4] , a não ação (wu-wei), o vazio, a moderação dos desejos[5] , a simplicidade[6] , a espontaneidade, a contemplação da natureza[7] e os Três Tesouros: compaixão, moderação e humildade.”

Da Wikipedia

— x — x

Às vésperas do meu aniversário, é nisso que tenho pensado. Vazio. Não-ação. Niilismo. O nada.

Na semana passada passei uns dias considerando a possibilidade de ter câncer no seio, e de ter que extrair a vesícula. Coisas que os exames de rotina e a idade trazem. O tumor tem 97% de chance de ser benigno, categoria 3. Mas tenho que refazer a ressonância magnética em seis meses. E a pedrinha e o pólipo na vesícula, aconteceu algo mágico: minha médica pediu para refazer o exame com o médico tal, o melhor do Fleury. Refiz. O homem não achou nada. Procurou bastante, mas não achou nada. Possibilidade de ter sido barro biliar, ou uma pequena dobra na vesícula que aparecia como um pólipo. E me falou “não é dessa vez que você vai ter que extrair a vesícula”. Fiquei bem contente. As notícias sobre a morte da minha vesícula foram precipitadas.

Cris: “Você não está acostumada a ficar doente”

“O que você quer dizer com isso?”

“Você estava preocupada demais”

“Ah, é? Eu tive que passar uns dias considerando a ideia de ter câncer e de ter que extrair um órgão. Ficar (mais) introspectiva significa que eu me preocupo demais?” perguntei enquanto mantinha erguido o dedo do meio da mão direita. Devia fazer isso mais vezes. Homenagem ao Tempi do Patrick Rothfuss.

“Não, claro que não, não foi isso que eu quis dizer… é que… é que eu estou contente em pensar que você não vai ter que extrair a vesícula. E não vai ter nada no seu seio. Não vai precisar cortar nenhum pedacinho de você. Eu estava com medo. Não tenho medo de ficar doente, mas estava assustado com a ideia de que você estava, não queria que você…” – as declarações de amor tortas que as pessoas conseguem fazer 🙂

“Por que você não falou isso desde o começo? Achei que você estava querendo dar uma de gostoso”

O Cris teve que lidar com câncer de pele aos 20 anos. Ele passou uns meses considerando a ideia de que ia morrer, que nunca ia casar, ter filhos. Isso teve uma grande influência na vida dele, pro bem e pro mal. Quando ele começou esse papo parecia que ele estava menosprezando o meu tumor. Nos abraçamos, e ouvi um som estranho. “O que foi? Você está rindo?” “Não! Eu estou chorando!” – me respondeu num tom bem ofendido. Eu: “ah, desculpa, achei que estava rindo”.

— x – x

Nos quatro dias entre ver o resultado no site, pesquisar o que é BI-RADS 3, e ter o retorno com a minha ginecologista, foram dias pra alimentar o vazio, o nada, a não-ação. Não falei com nenhum amigo fora o meu semi-deus das frivolidades internéticas. Pra ele eu quis contar que estava pensando em me aposentar da minha aposentadoria. Acho que quando você se aposenta aos 35, você sente que ainda precisa provar algo, então nos últimos quatro anos e meio eu trabalhei muito, às vezes 10, 12 horas por dia. A favor do birdwatching.

Mas agora.

Agora penso que tenho direito de passar pelo menos vários meses aposentada da aposentadoria. Sem ter que me preocupar em ver e-mails, em responder mensagens, sem ter que lembrar da existência das pessoas loucas, frases e situações absurdas que andaram fodendo com algo que antes era um dos meus maiores prazeres. Neste fim de ano em Campos eu não saí pra passarinhar, péssimo sinal. Choveu quase todos os dias, várias horas por dia? Choveu. Mas isso nunca foi impeditivo. Eu sairia com capa de chuva, capa pra câmera, mochila impermeável, guarda-chuva. Mas não saí.

Uma das pessoas boas que conheci por causa do birdwatching me ligou na semana passada pra contar que estava saindo de São Paulo, indo pra Porto Seguro. E comentou “falei pros meus irmãos ‘eu passei dois anos e meio cuidando da nossa mãe, à disposição dela. Agora é a vez de vocês’ “. Falei pro Cris que eu poderia pensar assim também. “Quatro anos trabalhando pelo birdwatching. Eu já fiz muita coisa”, “Já fez muita coisa. Não só pela divulgação, mas também pra promover um estilo de passarinhar, de ver as coisas. Acho que você vai acabar voltando, mas é claro que pode dar um tempo, que tem todo o direito de dar um tempo”.

Ainda não contei isso pros meus amigos militantes. Eles não vão gostar de saber. O Cris falou “não diga nada agora, talvez você só esteja cansada”.

Estou blogando. Mas não vou mandar nenhuma mensagem oficial ainda. Esperar a volta das férias. Quem sabe é só o desgaste, é só um saco cheio temporário misturado com a ideia de tumor-provavelmente-benigno-volte-em-seis-meses.

Viajo na semana que vem, volto no fim do mês. Se não voltar a blogar nesta semana, desejo de dias bons pra vocês.

 

  • Duas colunas
  • Celular
  • News
  • Alternative
  • Banner
  • Featured
  • Plain
  • Condensed